O Balão de Ouro espanta a saudade

- SIIIIMMM!

– SSSSIIIIIIIMMMMMMMM!

Na última segunda-feira (12), a FIFA realizou a cerimônia de entrega de seu balão de ouro, que premiou o melhor jogador do mundo em 2014. O português Cristiano Ronaldo levou o caneco pela terceira vez, o que não foi nenhuma surpresa. Ele realmente está jogando o fino da bola e se fosse um pouco mais gente boa, conquistaria os boleiros de todos os estratos sociais.

O que realmente surpreendeu na premiação da FIFA foi a presença da dupla de zaga brasileira, David Luiz e Thiago Silva, na seleção do ano. Não que sejam jogadores ruins, mas é uma defesa que tomou 10 gols em dois jogos, no principal torneio do futebol mundial, a Copa do Mundo. David Luiz é muito motivado e transparece um comprometimento incomum com sua equipe. Thiago Silva, por sua vez, tem bom posicionamento e desempenha uma boa liderança no setor. Mas, 2014 não foi ano deles…

Exceto essas modernidades próprias do comportamento suspeito da FIFA, não é difícil concordar com o argumento do Léo Bertozzi, que o balão de ouro deixou uma mensagem clara: somos privilegiados por testemunhar uma disputa a la Proust-Senna entre Cristiano Ronaldo e Lionel Messi nos últimos anos. Sem falar nos coadjuvantes de peso, como Robben, Van Persie, Suarez, Ibra e toda a turma da Alemanha, campeã mundial. Do nosso lado, Neymar certamente aparecerá nesse panteão, mas ainda falta um tempo de janela nos campeonatos europeus.

Infelizmente, os torneios nacionais realmente deixam a desejar. As revelações são fracas, cheias de nomes compostos, sobrenomes, sem personalidade alguma. Ainda produzimos bons jogadores, mas aqueles fora-de-série acabaram. Atravessamos uma longa entressafra. Por isso, há de se dizer que o saudosismo é inevitável, mas talvez não seja para tanto. Afinal, o futebol sempre será uma mãe.


Anúncios

Copa do Mundo, eu vi: Argentina 1 x 0 Suiça

En la cancha de la Copa!

En la cancha de la Copa!

Hoje eu realizei um sonho de pequeno, um sonho que tive desde 1994, quando vi Romário ganhar a taça para nós brasileiro. Queria fazer parte desse evento que é a Copa do Mundo, queria ver uma partida, independente de quem jogasse, queria ver um jogo do maior evento esportivo do mundo.

Hoje, fui ver Argentina e Suiça no Itaquerão. Vi uma Argentina que não conseguia passar o ferrolho suíço, que fez um excelente primeiro tempo, jogando nos contra-ataque. O time europeu teve pelo menos 3 chances de abrir o placar, mas não teve a competência necessária.

Já no segundo tempo, o time albiceleste conseguiu compactar melhor suas linhas e dominou o jogo, porém não conseguia criar muitas chances, pois Messi estava muito bem marcado. As chances criadas muito nos cruzamentos de Rojo, ou de chutes de fora da área.

Na prorrogação o time suíço morreu. E, em uma roubada de bola de Palácio, Lionel teve uma bola com espaço e lançou Di Maria, que bateu no contrapé, lembrando muito o gol de Rivaldo na Copa de 2002 contra a Inglaterra.

Di Maria 2014:

Rivaldo 2002:

O jogo foi muito emocionante, ainda mais para quem estava no estádio. Sonho realizado.

Abraços.
Caio Di Pacce.

A Seleção da primeira fase da Copa do Mundo

Nós do Copeiros elegemos a nossa Seleção da primeira fase da Copa do Mundo.  Depois de muito conversar decidimos que iríamos escalar esse time num 3-4-3, para poder privilegiar os atacantes e meio-campistas que se destacaram até agora no Mundial.

Cada Copeiro elegeu sua seleção, veja o que cada um colocou:

Seleção Caio: 
Goleiro: Ochoa (MEX)
Defesa: Godín (URU), David Luiz (BRA), Blind (HOL)
Meio Campo: Pirlo (ITA), Muller (ALE), Messi (ARG), James Rodriguez (COL)
Ataque: Benzema (FRA), Van Persie (HOL), Neymar (BRA)
Técnico: Jorge Sampaoli (CHI)

Seleção Flaco: 
Goleiro: Ochoa (MEX)
Defesa: Kompany (BEL), Thiago Silva (BRA), Lahm (ALE)
Meio Campo: Bradley (EUA), Valbuena (FRA), Mascherano (ARG), Felaini (BEL)
Ataque: Benzema (FRA), Robben (HOL), Neymar (BRA)
Técnico: Jorge Sampaoli (CHI)

Seleção Tércio: 
Goleiro: Ochoa (MEX)
Defesa: Godín (URU), David Luiz (BRA), Hummels (ALE)
Meio Campo: Pirlo (ITA), Valbuena (FRA), Messi (ARG), James Rodriguez (COL)
Ataque: Benzema (FRA), Robben (HOL), Neymar (BRA)
Técnico: J. L. Pinto (COS)

Seleção Marquinhos: 
Goleiro: Romero (ARG)
Defesa: Kompany (BEL), David Luiz (BRA), Thiago Silva (BRA)
Meio Campo: Pirlo (ITA), Valbuena (FRA), Messi (ARG), James Rodriguez (COL)
Ataque: Benzema (FRA), Robben (HOL), Neymar (BRA)
Técnico: Jose Pekerman (COL)

Depois de fazermos os últimos acertos, a seleção ficou assim:

SELEÇÃO COPEIROS
Goleiro: Ochoa (MEX)
Defesa: Godín (URU), David Luiz (BRA), Thiago Silva (BRA)
Meio Campo: Pirlo (ITA), Valbuena (FRA), Messi (ARG), James Rodriguez (COL)
Ataque: Benzema (FRA), Robben (HOL), Neymar (BRA)
Técnico: Jorge Sampaoli (CHI)

Seleção do Copeiros

Seleção do Copeiros

Abraços.
Caio di Pacce.

Apaixonante e Injusto

O futebol é apaixonante. E injusto. O Irã fez um jogo perfeito contra a Argentina no Mineirão. Jogou marcando o tempo todo e explorou os contra-ataques com muito perigo, tanto que, até o minuto de número 90, o grande nome da partida era o goleiro Romero. Não foi porque Messi fez jus ao statusde lenda e garantiu a vitória e a classificação de los nuetros hermanos na única chance de gol que teve. Craques são assim.

Resultado à parte, chama a atenção como a Argentina não tem time, no sentido mais restrito do substantivo. Os laterais, Rojo e Zabaletta, são razoáveis e mais nada; Federico Fernandez não compromete e Garay teve uma temporada espetacular e é o melhor jogador da linha defensiva albiceleste, o que garante um miolo de zaga minimamente consistente.

Diz-se muito por aí que, do meio para a frente, a Argentina tem um time excelente. Não, não tem. Pode ter grandes jogadores, mas simplesmente não se encaixam como time. Alejandro Sabella armou a equipe com os badalados Messi, Di Maria, Higuaín e Aguero na frente. Seria um ataque poderoso, se não fosse por um detalhe: a bola não chega, e nenhum deles é armador.

Na cabeça de área, a Argentina tem os volantes Gago e Mascherano. Di Maria abre na esquerda e Messi joga mais próximo à área, onde ficam, se atrapalhando, os inoperantes (nesse sistema, diga-se) Aguero e Higuaín. Rojo seria o desafogo para ajudar o atacante do Real Madrid, mas ele, ofensivamente, é mais perigoso nas cobranças de escanteio, pelo alto, do que propriamente no apoio ao ataque pelo flanco esquerdo.

Sem pés pensantes para armar o jogo ou distribuir a bola, o time fica acéfalo e dependendo de uma eventual jogada individual, sobretudo do genial Messi, que, no Barcelona, é o jogador a ser acionado pelos meias do time. Na Argentina, porém, tem que bater escanteio e correr para o cabeceio.

Pelo Irã, Carlos Queiroz fez o que tinha que ser feito: encheu o time de jogadores da intermediária para traz e abusou dos contragolpes, principalmente com o rápido e perigoso Ashkan Dejagah, que joga no Fulham. Foi dessa forma, diminuindo os espaços e saindo com velocidade, teve as chances mais claras de gol.

Para o time da terra dos Aiatolás, o resultado é o que menos importa. Mesmo perdendo por 1 a 0, o Irã fez uma partida histórica e, para as suas pretensões, espetacular. Quanto à Argentina, fica o alerta: não se faz um time com nomes, mas com coesão e equilíbrio entre os setores.

Quando os gênios aparecem.

Barcelona e Santos duelaram no Mundial de 2011, foi o embate entre Messi e Neymar. Hoje essas duas feras resolveram aparecer e mostraram a razão de serem os dois jogadores mais badalados do mundo. O Barcelona enfrentou o Bayer Leverkusen pela Liga dos Campeões e o Santos recebeu o Internacional de Porto Alegre na Vila Belmiro pela Libertadores.

O passeio do Barcelona e “La Manita” de Messi.

O Barcelona recebeu o Bayer Leverkusen pelas oitavas-de-final da Liga dos Campeões da UEFA, o time catalão havia ganhado na Alemanha por 3×1, e podia perder no Camp Nou por 2×0, porém o Barcelona resolveu jogar, quer dizer Messi resolveu jogar, o guri argentino esteve por todos os lados de campo, participou de todas as jogadas e fez nada mais que 5 gols na goleada de 7×1.

O argentino foi o primeiro a fazer 5 gols em uma partida de Champions League, ele entrou pra história mais uma vez, veja como foi a vitória catalã:


Primeira decisão santista de 2012 e o Hat-Trick de Neymar

O Santos precisava vencer o Internacional pela segunda rodada da Libertadores, o time da baixada perdera na estréia por 2×1 contra o Emelec e se não ganhasse hoje veria suas chances de classificação ficarem mais complicadas. Mas Neymar resolveu aparecer e decidir ficar com esses 3 pontos importantíssimos.

O time todo jogou bem, dominou quase toda a partida, Ganso, Arouca, Juan, Ibson foram muito importantes, mas foi Neymar que brilhou. O jovem garoto de 20 anos fez os 3 gols santistas, com direito a duas pinturas sensacionais, passíveis de se candidatarem ao melhor gol de 2012. E o Santos venceu por 3×1, veja como foi o jogo:

Nós amantes da prática ludopédica esperamos mais dias como essa quarta-feira. O futebol agradece.

Abraços.
Caio di Pacce.

Diário da Copa: 1º fim-de-semana

Finalmente o futebol resolveu aparecer na Copa. Após muitos espetáculos e expectativas, a bola foi tratada gentilmente. Os favoritos confirmaram seu poder de fogo e a asa-negra dos goleiros ingleses em Copas deu o ar da graça.

Argentina 1 x 0 Nigéria

Maradona tentou trazer o esquema do Barça para dentro da Argentina. No entanto, não possui um plantel do calibre do time catalão. Mesmo assim, Messi conseguiu brilhar. O abraço de urso de Samuel no zagueiro nigeriano é parte do futebol. O goleiro do time africano foi o destaque da partida ao lado da Pulga.

Coréia do Sul 2 x 0 Grécia

Mesmo que não pareça, deu a lógica. O time grego é burocrático, feio e velho. A base da seleção é de 2004 e a criatividade está para nascer. O elenco está rachado e os helênicos vão ficar pela primeira fase mesmo. Os empolgados sul-coreanos jogaram bem, mostrando disciplina tática e muita velocidade.

Inglaterra 1 x 1 Estados Unidos

Toda a análise do jogo se perde para o frango do goleiro Green. A Inglaterra tem um bom time, mas precisa mostrar mais consistência ao longo da partida. Os americanos dependem muito de Donovan, mas não devem fazer feio e se classificam para a segunda fase.

Eslovênia 1 x 0 Argélia

Não vi esse jogo, mas deu a lógica pelo fato da Eslovênia ter se classificado na Europa. Simplesmente.

Sérvia 0 x 1 Gana

O destaque foi a saída emburrada do técnico de Gana, que é sérvio. Do mais, foi um jogo feio. Gana traz os mesmos defeitos de 2006: a dificuldade em finalizar. Já a Sérvia, precisa de um atacante que tenha mais trato com a bola. Ganhou quem fez primeiro.

Alemanha 4 x 0 Austrália

Os aussies apresentaram um futebol ridículo e tacanho. Insistiam em bolas aéreas quando a média de altura dos alemães era de mais de 1,80m. Aquele Garcia é razoável, mas sozinho só vai levar o time de volta para casa. Já a Alemanha confirmou o que se esperava. O gol do brasileiro Cacau mostra a modernidade e mágica do esporte. O que Goebbels diria?

Visão Copeira:

A Copa começou a ficar legal. Mais uma vez a Inglaterra não convence, apesar do favoritismo. A surpresa do fim de semana ficou por conta da Coréia que mostrou um bom futebol. Ainda é cedo para comentar de Gana, já que Camarões estréia hoje e a Costa do Marfim amanhã.

Fotos: Getty Images

Deus em forma de Pulga

Hoje, nessa tarde chuvosa de Abril, presenciamos a consagração de um mito.

A partir de hoje, o futebol vai ser diferente.

O argentino Lionel Messi, la Pulga, comandou com maestria histórica a vitória do seu time Barcelona sobre os ingleses do Arsenal.

O placar foi de 4 a 1 para os espanhóis.

Quatro gols do camisa 10.

Estamos a 65 dias da Copa do Mundo.

Seremos privilegiados.

Se já não somos.

Foto: Olé – Clarín