Estados Unidos da América, o país do futebol.

Imagem

Em muitas áreas, os Estados Unidos são certeza de controvérsia. Como boa parte do mundo, nós brasileiros também temos nossas suspeitas quanto a maior potência do planeta. Na Política, alternamos entre alinhamento e independência. Na Economia, procurarmos assimilar ou relativizar. No Esporte, frequentemente perdemos. No futebol ainda não. Ainda.

Quem acompanhou os amistosos internacionais que precederam a Copa, certamente notou que boa parte deles se deu em terras americanas. Agora mesmo, Portugal vai batendo a Irlanda em Nova Jersey. Também ocorreram partidas em Saint Louis, Washington e Houston. Toda essa sequência faz parte de uma iniciativa denominada Road to Brazil, uma parceria da FIFA com a Major League Soccer, a confederação de futebol americana.

O torneio amistoso ocorreu entre 29 de maio e 7 de junho e contou com 10 equipes. Porém, outros jogos, como Inglaterra x Honduras apesar de não previstos no calendário inicial, também receberam o selo Road to Brazil nas transmissões da ESPN. Os artilheiros da “temporada regular” foram David Villa (ESP), Didier Drogba (CMA) e Edin Deznko (BOS) com dois gols cada um.

A realização desse torneio mostra que os americanos finalmente perceberam a importância comercial do futebol jogado com os pés. Não podemos negar que isso é um fato novo, pois o Estados Unidos é o país que mais entende de espetáculo. E no final das contas, nós espectadores gostamos de uma partida bem jogada e bem apresentada. Não é à toa que consumimos avidamente a Champions League e o SuperBowl.

Há um boato que empresas de marketing esportivo estão fazendo lobby para a unificação da CONCACAF e da CONMEBOL. Com isso, seria possível um campeonato realmente continental, nos mesmos moldes daqueles da UEFA. Os países participantes deverão ter estádios capazes de receber grandes públicos e o local da final seria eleito com antecedência. Seria um grande impulso para os patrocinadores, televisionadores e também para a indústria do turismo. Alguns países menores da América do Sul perderiam espaço, como a Bolívia e o Equador. Porém, finalmente os mexicanos conseguiriam participar de uma competição internacional de clubes de alto nível.

De qualquer forma, o Road to Brazil significa mais do que aparenta. Não será uma surpresa se, de repente, os Libertadores da América passarem a contar com George Washington e Thomas Jefferson no seu panteão.

—-

Foto e fonte: www.mlssoccer.com/road-to-brazil-2014

Haja coração, mas o Verdão venceu

Hoje, numa noite extremamente chuvosa em São Paulo, o desacreditado Palmeiras estreou contra o fraco Sporting Cristal, time peruano. Gilson Kleina promoveu algumas estréias, como Weldinho, Marcelo Oliveira, Vilson, num time formado em um 4-5-1, formado por: F. Prass, Weldinho, Henrique, M. Ramos e Marcelo Oliveira. Vilson e Márcio Araújo, uma linha de três meias com Souza, Patrick Vieira e Wesley e Vinícius isolado na frente.

Uma postura cautelosa para enfrentar um time fraco em casa, que não quis atacar, mas o time, mesmo com muitos erros de passe e erros de posicionamento, conseguiu dominar o primeiro tempo, principalmente em chutes de fora da área ,mas foi na bola parada, que mais uma vez Henrique marcou para o Verdão: 1×0.

No segundo tempo, o time entrou meio desligado, e na primeira investida do time visitante, M. Oliveira cometeu uma penalidade boba e os peruanos igualaram o marcador, o lateral esquerdo estreou bem, apesar disso, apoiou bem e foi seguro em muitos lances atrás.

Com o placar igual, Kleina promoveu a entrada de Caio Mancha, atacante no lugar de Márcio Araújo e inverteu Vilson de volante como zagueiro, alterando com Henrique, boa opção, pois o camisa 3 tem boa qualidade do passe. Nisso, o time voltou a dominar o meio campo e o jogo. Em uma investida de Marcelo Oliveira, Vinicius fez o pivô e Patrick Vieira definiu o placar: 2×1.

Weldinho foi o estreante com menos inspiração, mas não complicou, apoiou pouco e não comprometeu. Ronny entrou e também foi bem, deu um calor para os zagueiros adversários.

O Palmeiras fez o que precisava, venceu, deu um animada e acalmada na torcida. Mas ainda há muito o que melhorar, o time ainda está abaixo do nível dos demais times brasileiros da Libertadores, mas não fez feio. Quero ver o que será no clássico.

Abraços.
Caio di Pacce.

Palmeiras = Libertadores + Série B

A vida do torcedor palmeirense variou demai no ano de 2012, após um primeiro semestre perfeito, celebrado desde a festa para São Marcos até com o bi-campeonato da Copa do Brasil, após partidas excepcionais, principalmente, contra Grêmio e Coritiba. Felipão voltou a sorrir, a torcida fez uma festa linda nas ruas de São Paulo, voltamos a celebrar como há tempos não fazíamos.

Mas, veio o segundo semestre. Para que o time vencesse a Copa do Brasil, abrimos mão do Brasileirão. Abrimos mão demais, o time conquistou 27 pontos em 29 rodadas, menos de 1 ponto por rodada em média. E, depois da derrota em Araraquara contra o Coritiba, o caixão foi enterrado. Sim, sim, ainda tem mais rodadas, mas o time está todo desfalcado e sentido.

Só o Palmeiras é capaz de dar tanta alegria e tristeza para o seu torcedor em tão pouco tempo. Eu vou lembrar de 2012 como o ano da despedida de São Marcos, e vou lembrar daquele 12/07 onde celebrei, gritei, chorei, cantei. Daquele dia que saí da Pompéia com os amigos, cantando no carro e fui para a Paulista celebrar a taça conquistada.

Que venha a Libertadores e a série B. Amarei meu clube do mesmo jeito, em ambas as competições.

Abraços.
Caio di Pacce.

4 de Julho: A independência corinthiana.

Apertou? Põe no Sheike que ele resolve!

Foi nesse 4 de julho de 2012 que o Corinthians levantou a Taça Libertadores da América, e foi muito merecido. O time do Corinthians foi gigante nessa edição da Copa mais importante do continente sul-americano.

Hoje oficialmente o Corinthians chega a horizontes mais distantes, fica conhecido mundialmente, um dia isso ia acontecer, um dia a taça ia parar no Clube da Rua São Jorge, número 777. Agora é pensar no Chelsea.

A verdade é que esse título começou a ser construído ano passado, quando eliminados vergonhosamente pelo Tolima, a diretoria manteve a base do time e o comando técnico do Tite, que soube ter o grupo na mão, e comandar um excelente elenco, que sabe se defender e contra-atacar como ninguém.

Parabéns Corinthians, a sua torcida tem mais é que comemorar!

Abraços.
Caio Di Pacce.

A aula de Roman e a frieza de Romário.

Final de Libertadores é sempre final de Libertadores. Jogo na Bombonera, sempre é jogo na bombonera. A primeira mão da final entre Boca x Corinthians foi sensacional. A pujante torcida Xeneize mostrou mais uma vez que é incrível, calou os narradores de todas as rádios e televisões da América Latina.

O Boca jogou muito, Roman teve liberdade para trabalhar e deu uma aula de futebol, só que jogar ao lado de Mouche e Santiago Silva é complicado, agora, pra quem esteve acostumado a jogar com Tevez e San Marin Palermo, é mais complicado ainda.

Toda bola passava pelos pés de Roman, o espaço que Neymar, Ganso ficaram procurando nos dois jogos contra o Corinthians, o camisa 10 boquense encontrou com naturalidade. O Corinthians soube se defender, mas não com aquela competência dos últimos embates, o time sofreu. Mas o Boca pecou por não saber definir as jogadas, por não ter qualidade na finalização.

No segundo tempo, o Boca entrou melhor, soube aproveitar os espaços dados, principalmente com a avenida no lado esquerdo para Clemente Rodriguez trabalhar, e em uma bola parada, o time argentino abriu o placar.

Quando tudo está encaminhado para uma vitória do time ca casa, Tite coloca Romarinho em campo, o novo talismã corinthiano, que fez dois belíssimos gols contra o Palmeiras, recebeu uma bola, e como se fosse um jogo treino, com os amigos, ou na várzea, o menino cavou na saída do goleiro, me deixou sem palavras a frieza e calma do garoto.

O jogo de volta está totalmente abero. O Boca joga muito fora de casa, o Corinthians joga muito em casa. Será um embate épico, só sei que a Libertadores de 2012 será lembrada pra sempre.

Abraços.
Caio Di Pacce.

E que venha o Boca Juniors

Nada pára esse Corinthians na Libertadores de 2012. Ontem o Santos tentou furar o bloqueio do Corinthians, até conseguiu no primeiro tempo, mas a vaga ficou com o time de Parque São Jorge.

O time do Santos veio pra atacar, entrou em campo com 3 atacantes, numa postura avançada, a fim de passar o bloqueio corinthiano das duas linhas de quatro muito bem formadas pelo comandante Tite. Na primeira partida, o time santista ficou com a bola, mas não conseguia ser incisivo, muita gente atribuiu esse fato a um possível cansaço de alguns jogadores, principalmente do Neymar, mas na verdade, marcar gol no Corinthians é algo muito complicado.

O Pacaembu abarrotado viu um Santos valente no primeiro tempo, que tentou e conseguiu furar o bloqueio, com Neymar, quando o time da baixada abriu o placar. E também viu um Corinthians prontinho e afiado para um contra-ataque. Já na segunda etapa, o Santos entrou morno, e o Corinthians pilhado. Logo aos 3 minutos, em uma falta lateral somada a uma outra falha de marcação santista, o decisivo Danilo marcou o gol da classificação.

Dali em diante, o jogo foi fácil pro timão. O Santos sentiu demais o gol sofrido e não conseguiu nem chutar na meta de Cássio. A posse da bola foi totalmente santista, mas na intermediária, a bola rodava entre Arouca, Durval, Juan ou Henrique. Ganso e Neymar tinham que recuar muito para buscar a jogada, e não conseguia sair da forte marcação, com isso o tempo foi passando e a classificação inédita chegando mais perto, até o apito final.

Já estou cravando, o Boca Juniors não será páreo para esse time do Corinthians. Mesmo com a Bombonera, mesmo com Riquelme, mesmo com a camisa e a experiencia do elenco, dessa vez isso não fará a diferença.

Tite será o treinador campeão da Libertadores 2012, e o Mário Gobbi o presidente que levou esse título para o time da Marginal Tietê.

Abraços.
Caio di Pacce.

A Copa na Reta Final: Análise dos confrontos

Ontem foi definido os outros dois classificados para as Semi-Finais da Taça Libertadores da América. A Copa chegou em sua reta final. Os quatro times mais preparados chegaram, dessa vez os melhores passaram: Corinthians x Santos, Boca Júniors x Universidad de Chile (La U).

Boca Júniors x Universidad Católica
Na bola é empate técnico, tanto o time do Boca como o time da Universidad são páreos, ambos tem um calderão a seu favor, é verdade que a Bombonera é mais pressão que o Estádio Nacional de Santiago, mas jogar no chile, com a torcida inflamada não é fácil.

Creio que o time chileno oscila mais que o time argentino, além do fato do Boca ter um elenco mais tarimbado, mais especialista em Libertadores, como Schiavi, Santiago “El Tanque” Silva, Mouche e o Sr. Libertadores: Juan Román Riquelme, que voltou a jogar o fino da bola. Ele rege o time de Buenos Aires, e acho que ele pode fazer a diferença.

Palpite: Boca Júniors

Santos x Corinthians
Um clássico do futebol brasileiro, o embate entre os dois melhores times do país, será o encontro entre o brilhantismo técnico contra a disposição tática, raça e entrega. Um jogo sem favoritos. Eu realmente achava que o Santos não passaria pelo Vélez, pelo o que o time da baixada jogou na Argentina, o Peixe não merecia passar.

Mas futebol é futebol e o Santos cresceu aqui na Vila, impôs seu jogo e venceu o time argentino nos penaltis. Na bola, dá Santos, pois o time da baixada tem Neymar, mas clássico não tem favoritos, ainda mais em jogo válido pela Libertadores da América, onde a disposição, entrega e força de vontade tem que ficar na ponta da chuteira, e isso o Corinthians tem muito mais.

Palpite: Coluna do Meio.

Abraços.
Caio di Pacce.