O Balão de Ouro espanta a saudade

- SIIIIMMM!

– SSSSIIIIIIIMMMMMMMM!

Na última segunda-feira (12), a FIFA realizou a cerimônia de entrega de seu balão de ouro, que premiou o melhor jogador do mundo em 2014. O português Cristiano Ronaldo levou o caneco pela terceira vez, o que não foi nenhuma surpresa. Ele realmente está jogando o fino da bola e se fosse um pouco mais gente boa, conquistaria os boleiros de todos os estratos sociais.

O que realmente surpreendeu na premiação da FIFA foi a presença da dupla de zaga brasileira, David Luiz e Thiago Silva, na seleção do ano. Não que sejam jogadores ruins, mas é uma defesa que tomou 10 gols em dois jogos, no principal torneio do futebol mundial, a Copa do Mundo. David Luiz é muito motivado e transparece um comprometimento incomum com sua equipe. Thiago Silva, por sua vez, tem bom posicionamento e desempenha uma boa liderança no setor. Mas, 2014 não foi ano deles…

Exceto essas modernidades próprias do comportamento suspeito da FIFA, não é difícil concordar com o argumento do Léo Bertozzi, que o balão de ouro deixou uma mensagem clara: somos privilegiados por testemunhar uma disputa a la Proust-Senna entre Cristiano Ronaldo e Lionel Messi nos últimos anos. Sem falar nos coadjuvantes de peso, como Robben, Van Persie, Suarez, Ibra e toda a turma da Alemanha, campeã mundial. Do nosso lado, Neymar certamente aparecerá nesse panteão, mas ainda falta um tempo de janela nos campeonatos europeus.

Infelizmente, os torneios nacionais realmente deixam a desejar. As revelações são fracas, cheias de nomes compostos, sobrenomes, sem personalidade alguma. Ainda produzimos bons jogadores, mas aqueles fora-de-série acabaram. Atravessamos uma longa entressafra. Por isso, há de se dizer que o saudosismo é inevitável, mas talvez não seja para tanto. Afinal, o futebol sempre será uma mãe.


Anúncios

ENQUETE: Você achou justa a punição de Suarez?