Estudiantes e a graça do futebol

A Argentina conheceu seu novo campeão nesse último fim de semana. Após uma vitória por 2 a 0 frente ao Arsenal, o Club Estudiantes de la Plata arrematou o caneco do Apertura 2010.

Ao vencedor, as batatas...

O título vem coroar o retorno triunfante de Verón ao seu clube de coração. Maturado e lançado profissionalmente pelo Estudiantes em 1993, a “Brujita” teve uma curta passagem pelo Boca Juniors antes de embarcar para a Europa.

Ao final do jogo desse último domingo, na casa do Arsenal, no distritno buenoarense de Sarandi, Verón de posse de um microfone, se dirigiu aos pincharratas presentes nas platéias.

O craque argentino ressaltou a humildade e a união do grupo. No entanto, não deixou de enaltecer a qualidade de seus companheiros, afirmando que o título estava em boas mãos, já que o Estudiantes é a melhor equipe da Argentina.

De fato, Verón não foi tão arrogante. Desde 2006, o clube platense ganhou uma Libertadores e dois títulos nacionais. Sem falar nas boas campanhas na Sul Americana.

Esse histórico recente, aproxima o Estudiantes do Inter de Porto Alegre não só nas cores. Ambos clubes, mesmo sem causar muito frenesi no novo mundo yuppie do futebol, tem mostrado resultados consistentes dentro dos gramados.

A exceção de Verón, o Estudiantes não tem grandes estrelas. O Inter, tão pouco. Isso mostra que ainda é possível, e também rentável, que os clubes de futebol, de fato, vivam de futebol.

Ganhar tudo, todo ano, é impossível e insustentável. Mas alguns títulos, vez ou outra, devolvem a auto estima ao torcedor. E incrementam a grandeza de um clube.

O título do Estudiantes e a presença mais uma vez do Inter no Mundial Interclubes é a mostra mais sincera de que o mais interessante do futebol, ainda é o futebol.

Anúncios

Banho de Libertadores

O Beira-Rio acaba de assistir um típico jogo da Libertadores. Em casa, o Colorado gaúcho mediu forças com os pincharratas de La Plata. Cada centímetro quadrado da partida foi disputado ardorosamente. Um banho de futebol latino-americano.

Não houve domínio técnico de nenhum time. As duas propostas muito parecidas deixaram o jogo travado. O Estudiantes é uma equipe muito mais madura que o Inter. Verón realmente é diferenciado e aos 35 anos mostrou por quê está na Copa.

Por outro lado, o Inter é um time aguerrido. Com a casa cheia, não conseguiu criar muito na primeira etapa. Fossati percebendo o rendimento baixo do escrete, sacou o mediano Walter e inseriu Taison.

Com ele, o time gaúcho organizou mais sua infantaria. Tanto que aos 20 minutos do segundo tempo, não se via mais um contra ataque argentino. D’Alessandro acostumou muito com o futebol brasileiro e entra na disputa de cai-cai com Neymar.

A pressão continuou. Continuou até uma falta alçada na área que Sorondo desviou. Um gol clássico de um jogo truncado. E aos 43 minutos. Assim, o colorado dos pampas saiu de campo com um bom resultado.

Pode-se dizer que as torcidas gaúchas são meras releituras das barras argentinas. No entanto, tanto ontem no Olímpico como agora pouco no Beira-Rio, o que se viu foi um espetáculo de vibração.

E vibração é o que o Inter vai precisar em La Plata na quarta que vem.

Foto: Reuters

A taça começou!

A Taça Libertadores da América 2010 começou essa semana para quase todos os grupos. E já começou com lances polêmicos, muitas catimbas, gols bonitos e, principalmente, a muita raça, que torna essa competição diferente e especial.

Apenas 2 clubes brasileiros estrearam na competição: São Paulo e Cruzeiro. O maior campeão brasileiro bateu facilmene os reservas do Monterrey-MEX em pleno Morumbi, com 2 gols do artilheiro Washignton. Destaque para a re-estréia de Cicinho, com a camisa 23.

Já o Bi-Campeão Cruzeiro foi a Argentina medir forças contra o Vélez Sarsfield, e com 2 a menos tomou de 2×0 do clube argentino, num jogo polêmico, catimbado e pelejado. O time celeste voltou ao Brasil reclamando muito da arbitragem, que teve o convocado Gilberto aos 2 minutos de jogo e Gil aos 36 da primeira etapa.

Destaque também para a vitória suada do tri-campeão uruguaio, o Nacional. O clube ganhou do Deportivo Cuenca por 3×2 jogando no Parque Central. Num jogo muito disputado e brigado até o fim. O atual campeão Estudiantes, nesse instante (fim do primeiro tempo), está ganhando do Juan Aurich-PER por 2×1.

A estréia mais esperada da competiçao, a do centenário Corinthians, só ocorrerá no dia 24/02 contra o Racing-URU em um Pacaembú abarrotado. Vamos ver o que acontecerá.

Abraços.
Caio di Pacce. 

Até que enfim deu Barcelona.

Nesse fim de semana ocorreu a final do Mundial Interclubes da FIFA, dessa vez nos Emirados Árabes Unidos, entre Estudiantes de La Plata x Barcelona.

O time catalão chegara pela terceira vez em uma final de Mundial com um duplo vice-campeonato: Em 92 perdeu para o São Paulo e em 2006 perdeu para o Internacional. Já o Estudiantes chegara nos Emirados pela quarta vez, com 2 vices e um título, o de 1968.

O jogo foi truncado, e disputado igualmente, uma vez que o time argentino jogou melhor o primeiro tempo, tanto que abriu o placar com o matador Bocelli, aos 37 minutos, e o Barcelona não chutou nenhuma bola no gol do goleiro Albil.

Com o placar favorável, e um time mais cansado, o segundo tempo do Estudiantes foi de tentar se defender, e estava conseguindo fazê-lo, até os 43 minutos, quando o jovem Pedro, que entrara no lugar de Keita, empatou o jogo de cabeça, levando o jogo para a prorrogação.

A prorrogação foi mais 30 minutos de pressão catalã, já que o time argentino não time mais pernas para acompanhar a velocidade dos atacantes europeus. E aos 8 do segundo tempo, por ironia, o argentino Messi desempatou o jogo, tirando a Taça FIFA da Argentina e levando para a Espanha.

Agora há um empate de 24 campeonatos mundiais entre Europa e América do Sul. O time argentino vendeu caro a derrota, mas o Barcelona buscou o título durante os 120 minutos.

Parabéns ao Barcelona, pelo único título que ainda não tinha. E força para o Estudiantes que foi aguerrido e brigador, doou a vida em campo.

Abraços.
Caio di Pacce.

ENQUETE: Quem vai para a Libertadores de 2010?

A reta final do Brasileirão chegou, agora quero saber quem irá para a Libertadores do ano que vem? Vote na enquete abaixo escolhendo 4 times que, na sua opinião, vão para a Libertadores no ano que vem.

CopaLibertadores2010

Abraços.
Caio di Pacce

La copa se mira y no se toca

Com uma vitória de virada por 2 a 1, o Estudiantes de La Plata conquistou nessa quarta-feira a Copa Libertadores de 2009. Atuando em pleno Mineirão, a equipe argentina soube segurar o Cruzeiro, e foi melhor durante o jogo todo. O título deixa o Estudiantes como a terceira equipe da Argentina em títulos da Libertadores, apenas atrás de Independiente (7) e Boca Juniors (6).

O jogo

A esperada pressão inicial do Cruzeiro, tão antevista por narradores “filósofos da bola”, e pela própria torcida mineira, não veio. Com uma marcação inteligente, e muita catimba, o Estudiantes conseguiu segurar a equipe cruzeirense, que não conseguia fazer o que melhor soube demonstrar ao longo do campeonato: o toque de bola envolvente, os ataques rápidos e as investidas pelas pontas. “Craques”como Ramires, Wagner e Marquinhos Paraná demonstraram nervosismo e infantilidade, e caíram constantemente nas provocações adversárias. Talvez imaginassem que se tratava do campeonato Mineiro.

O jogo era final de Libertadores, e quem parece ter se tocado disso foi o técnico Adilson “Capitão América” Batista. Após o intervalo, o Cruzeiro voltou melhor para o segundo tempo e até conseguiu fazer um gol, com Henrique, num chute de fora da área. A festa era azul. Mas, faltou o cuidado de ver o relógio, e perceber que ainda havia muito jogo pela frente. A equipe mineira relaxou em campo, como que aliviada pelo gol.

Quem aproveitou foi o Estudiantes que, 5 minutos depois do gol cruzeirense, empatou. Numa investida pela esquerda e após um lançamento genial de Verón para o lateral direito a bola cruzada na área chega ao atacante Fernadez. Sem marcação, o argentino marcou e calou um já quieto Mineirão.
O mesmo clima do primeiro tempo voltou. O Cruzeiro nervoso, não conseguia atacar de maneira eficiente, enquanto os argentinos se defendiam sem maiores problemas, com uma atuação perfeita da dupla Schiavi e Dessábato (tidos como “lentos e atrasados”pela imprensa tupiniquim) ,e também conseguia liberdade de contra atacar. O resultado veio num escanteio. Bola na área, falha da marcação e o atacante Boselli tocou de cabeça para o fundo das redes de Fábio. O Mineirão que desde os 10 minutos do primeiro tempo já estava um silencio agora era tomado por um canto baixo, mas apaixonado da torcida argentina que compareceu ao Brasil.

O Cruzeiro ainda tentou empatar, é verdade. Tiago Ribeiro chutou uma bola na trave, e depois perdeu um gol feito. Mas a catimba e o controle exercido pelo Estudiantes ao final da partida descontrolava ainda mais os cruzeirenses. Final de jogo, Estudiantes campeão, Cruzeiro pasmo e sem saber o que se passava.

A derrota do Cruzeiro serve de exemplo, e Libertadores está aí, em sua 50ª edição para a todos ensinar (mesmo que em bem menor proporção que em décadas anteriores). Eleito de longa data como campeão antecipado por boa parte da imprensa brasileira, principalmente após o empate na Argentina, a equipe celeste fez o mais difícil na casa adversária, mas não soube “fazer o simples” em seus pagos. Méritos para o Estudiantes, que não se abalou com o empate na Argentina, tampouco com o gol marcado pelos donos da casa na segunda etapa, e mostrou ser um time igual ou até melhor que o Cruzeiro. Toque de bola, habilidade, dribles e Welington Paulista no ataque não suficientes para conquistar a América. E só uma final como essa, digna do cinqüentenário da Copa, para mostrar o que é o futebol. Raça, catimba, garra, humildade e glória redentora. ISSO é Libertadores.

veron

É hoje! Cruzeiro X Estudiantes

taca1Hoje decide-se o futuro campeão da 50a Taça Libertadores da América. O jogo de ida foi 0x0, numa noite inspiradíssima do goleiro Fábio, e não tão inspirada de Kléber, que perdeu a bola do jogo.

Mineirão estará lotado, a torcida celeste vai empurrar o time brasileiro, porém o Estudiantes não chegou até a final à toa, é um grande time, com Verón, Schiavi, e um ataque muito veloz, ótimo para contra-atacar. O Cruzeiro tem que rodar a bola com paciência e inteligência, assim como fez contra o Grêmio e São Paulo,  esperar a primeira brecha para matar o jogo.

Será uma grande final, independentemente de quem seja o campeão.

Abraços.
Caio Di Pacce.