A volta do G4?

A CONMENBOL anunciou no fim de tarde dessa segunda-feira o retorno da quarta vaga para a Libertadores via Campeonato Brasileiro. A Confederação Sul-americana acatou um pedido da CBF em reunião realizada ontem.

Porém, não há almoço grátis, essa vaga só será válida desde que o Campeão da Copa Nissan Sul-americana não seja um time brasileiro, no caso, Palmeiras, Atlético-MG, Goiás ou Avaí.

Após essa decisão, a reta final do Brasileiro esquentou, cerca de 6 times brigam claramente por um acesso, Atlético-PR (46), Grêmio (46), Botafogo (45), São Paulo (44), Palmeiras (44) e Vasco (41).

Os meus favoritos para essa vaga, pelo que vem jogando nesse segundo turno, em ordem são: Grêmio, Atlético-PR e São Paulo.

Porém esses times precisam torcer para os outros times sul-americanos, logo é bom que Felipão ou Dorival (principalmente), preparem um ótimo banho de sal grosso, porque a zica vai ser das grandes.

Abraços.
Caio di Pacce.

Anúncios

O monstro está criado

René Simões foi profético no final de semana: estão criando um monstro. E de fato, no final da tarde de hoje, o primeiro passo para a confecção da monstruosidade foi dado. A diretoria do Santos Futebol Clube demitiu por insubodrinação o técnico Dorival Júnior.

Cartolas santistas descansando sob o sol da Baixada

Em programa de rádio da Transamérica, o craque Neto elogiou o agora ex-técnico Dorival, dizendo que se houvesse mais treinadores que não acobertassem os seus erros, sua carreira seria diferente. Talvez ele teria tido mais tempo na Seleção, mais títulos e uma possível carreira no exterior.

A decisão de Dorival Jr. afastar o Neymar por mal comportamento foi correta e tinha de ser extendida, independente da presença de clássico ou não. A diretoria não tem de interfirir nos aspectos operacionais, afinal, quantos cartolas santistas sabem do riscado?

A vitória da  Jóia mimada sobre o profissionalismo tem outras cores mais sórdidas. Quem estaria interessado na saída de Dorival Jr. haja visto a multa de R$ 2 milhões? O São Paulo sondou o técnico santista. É o que ventilam na imprensa.

Independente de qual o desfecho e a motivação por trás de toda essa confusão, cabe aqui salientar o entorpecimento definitivo das coisas do futebol. É cada vez mais difícil desfrutar propriamente de um jogo de futebol profissional. Embora a qualidade seja excepcional, sabemos que por dentro tudo é bolorento e vago.

Sem medo de soar piegas, deixo aqui a minha profunda frustração com os desfechos dessa noite de terça. Que o futebol é uma grande negociata, isso já sei há tempos. No entanto, como incansável romântico, persevero na esperança de um dia o coração volte a falar debaixo das camisas dri-fit de todos jogadores.

Convoco a todos para que deixemos de celebrar o jogo e a bola, mas que passemos exclusivamente a brindar a camisa, que é o nosso único e verdadeiro objeto de paixão. Que os nomes e sobrenomes fiquem somente nas súmulas e as nossas paixões independam de transações viciadas de cartolas desbotados e jóias mal forjadas.

Chega de Neymares. Chega de Robinhos. Um brinde ao Futebol e toda sua expressão intangível!

Desculpa à brasileira

Quase todo ano é a mesma coisa. Um time se destaca dos demais no início da temporada, cai de produção naturalmente, mas os treinadores procuram uma desculpa qualquer para justificar a queda do rendimento da equipe. Geralmente, o recurso é culpar o calendário do futebol brasileiro.

Chegou a vez do técnico Dorival Jr. aderir a essa bobagem. O engraçado é que quando o Santos estava ainda mais por cima da onda ele não falava nada, só enaltecia – como de fato tinha que fazer – a qualidade de Ganso, Neymar e Cia. Foi só as outras equipes aprenderem a derrubar o Peixes que a desculpa do “calendário massacrante” passou a fazer parte do vocubulário do treineiro da Vila.

Desde a derrota para o Santo André por 3 a 2 que Dorival culpa o calendário pelos reveses do time do litoral. Após o empate com o Ceará nesse domingo – a equipe nordestina foi prejudicada pela arbitragem -, o nhem-nhem-nhem voltou à tona. Ora, caro Dorival, desde que Charles Muller botou os pés nessa terra que o calendário do futebol tupiniquim é carregado em datas e campeonatos. Não venha reclamar que não teve tempo para os jogadores comemorarem a conquista do Paulistão, pois já tinha jogo decisivo pela Copa do Brasil no meio da semana.

Aliás, não venha dizer que o calendário brasileiro precisa ser como o europeu. Se você não sabe, na Europa as grandes equipes também jogam infinitas vezes de quarta e domingo. Na Itália, por exemplo, no meio da semana rolam as pelejas pela Copa da Itália e/ou a Liga dos Campeões da Europa e, no final de semana, é a vez do Campeonato Italiano. Procure saber se o José Mourinho está por aí reclamando do calendário italiano.

Você pode reclamar da janela de transferências, que acontece em agosto e leva os craques nacionais para a Europa na metade do Brasileirão. Mas, chiar por jogar quarta e domingo me parece mais uma desculpa esfarrapada para as derrotas.

Dorival no Olímpico?

Segundo o diário Lance, o técnico campeão da série B pelo Vasco da Gama, Dorival Júnior está com tudo acertado para comandar o tricolor imortal no Brasileirão de 2010.

Como jogador, Dorival teve uma rápida passagem pelo Grêmio no ano de 1993, onde conquistou o campeonato gaúcho.

Parece um bom arranjo, visto que o Grêmio sempre tem montado times competitivos nos últimos anos. Além disso, Dorival possui algum vínculo com o clube.

Dorival faz parte de uma leva nova de bons técnicos, juntamente com Adílson Batista, Sérgio Guedes e mais recentemente o Silas.

Mas o futebol moderno é isso aí: o banco de São Januário mal esquentou e já vem gente querendo esfriá-lo.