O fim do “Pré-Brasileirão” 2014

- Será que vamos ser Bi?

– Será que vamos ser Bi?

Com o término da rodada de hoje, o “Pré-Brasileirão” chega ao fim e se inicia a tão desejada pausa para a Copa do Mundo. E, vejo esse início do campeonato regional sem muitas surpresas. Os times que estão na frente são os meus favoritos a conquistar o título e os times que estão lá embaixo, são os meus favoritos para disputar a série B.

Dos quatro primeiros, destaco o Cruzeiro como o mais forte, o mais conciso e o com o elenco mais igual dentre as 20 equipes que disputam o campeonato Nacional. O segredo dos pontos corridos é manter o mesmo nível e padrão de jogo, haja o que “hajar” (hehehe). Ou seja, se você perder seus principais jogadores, você tem que ter um elenco que supra essas necessidades. E eu vejo o Cruzeiro o mais preparado para enfrentar a maratona do segundo semestre.

Um que pode chegar é o tricolor paulista, o SPFC está se reforçando muito bem, principalmente na frente. Possui um ataque muito forte e veloz e com peças de reposição de altíssima qualidade, além de ter um treinador mais do que calejado nesse tipo de competição. Se vier um zagueiro, como Lugano, o time tem tudo para brigar com o Cruzeiro pelo caneco.

O Corinthians, com a chegada de Elias e Lodeiro pode brigar, mas vejo o elenco corinthiano um degrau abaixo, uma vez que seu treinador não tem o time na mão e não consegue dar um padrão tático decente para a equipe. Além disso, time campeão tem que vencer em casa, e na arena, o time alvi-negro ainda não desencantou.

Bem, falaremos de Brasileirão agora só em Agosto. Que venha a Copa do Mundo, ou não.

Abraços.
Caio Di Pacce.

O talento e a versatilidade.

Alex de Sousa, craque da camisa 10, atual meia do Fenerbahçe. Há 10 anos atrás, ele fazia um dos gols mais bonitos da história do Estádio Cícero Pompeu de Toledo, mais conhecido como Estádio do Morumbi, contra o time da casa, dois chapéus, um no zagueiro e um no goleiro, e não era um goleiro qualquer, simplesmente no maior ídolo da história do São Paulo, e bola na rede.

Alex é um dos casos a serem analisados no futebol. Ninguém duvida de seu talento, jogador inteligente, com um estilo clássico,extremamente técnico, com um vasto cartel de golaços e assistências milimétricas, um dos maiores jogadores que eu vi jogar, sem nenhum absurdo. Porém, não levantou vôos maiores em sua carreira por um único fator: Versatilidade.

Alex, o Chapeleiro do Morumbi

Alex, o Chapeleiro do Morumbi

O jogador jogou no Coritiba, Palmeiras, Flamengo, Parma, Cruzeiro e Fenerbahçe e pela Seleção Brasileira. Ele tem futebol para ter jogado em um Barcelona, Real Madrid, Milan, ou ter sido mais aproveitado com a verde-amarela. Seu único defeito é que não consegue exercer outras funções dentro de campo. Se o treinador precisasse dele para ser um segundo atacante, se precisasse recuá-lo, ou alocá-lo para o lado do campo, seu rendimento cairia.

Comparo Alex à Ademir da Guia, ambos camisas 10 de nascimento, mas o futebol foi injusto com eles. Ademir poderia ter sido chamado em 70, ou ter jogado a Copa de 74, mas Zagallo não o quis. Alex poderia ter jogado a Copa de 2002, mas Felipão preferiu Ricardinho, pois esse poderia jogar mais recuado, como um volante, já que Emerson fora o jogador cortado daquele selecionado canarinho.

Alex terminará sua carreira como o Rei da Turquia, mas não será lembrado nos maiores palcos ludopédicos, uma pena. Ele é um dos meus maiores ídolos do futebol, segue um pouco do que ele é capaz:

Abraços.
Caio di Pacce

 

E o Santos virou Brasil na Libertadores.

Hoje 4 clubes brasileiros disputavam 4 vagas para as quartas-de-final da Taça Libertadores. Internacional, Fluminense, Grêmio e Cruzeiro queriam se juntar ao Santos na próxima fase da competição mais importante do continente. Porém, a noite foi mais do que negra para os clubes tupiniquins.

O Internacional recebeu o uruguaio Peñarol em casa após um 1×1 no Uruguai. Falcão no banco e a torcida estava feliz. O time vermelho abriu o placar logo no primeiro minuto de jogo com Oscar. Mas, no segundo tempo, com 15s o time uruguaio empatou, e aos 5 virou. Daí era nervosismo puro na arquibancada e no campo. Inter eliminado.

Como disse Tércio Silveira, pergunto: O que o comentarista Falcão falaria do treinador Falcão após a partida?

O Grêmio foi ao chile precisando vencer por 2 gols, missão complicada, ainda mais com o show que a torcida da La U dava nas arquibancadas, umas das canchas mais locas dessa Libertadores. O time do Grêmio jogou muito pouco, parecia estar sem alma, tomou 1×0 e voltou pra casa sem a vaga.

Porém o mais impressionante foi o que aconteceu com Fluminense e Cruzeiro:

O primeiro se classificou na raça, na guerra, em pleno estádio Libertadores da América contra o Independente. No Engenhão, jogou mal, porém venceu por 3×1 o paraguaio Libertad, e estava tranquilo. Eu disse estava. Porém, no Defensores del Chaco, mais uma vez o tricolor carioca jogou mal e tomou um vareio de bola. 3×0 e a vaga para os donos da casa.

E o Cruzeiro, o todo poderoso Cruzeiro, que era a sensação da América, foi à Colômbia e venceu o Once Caldas por 2×1. Essa foi a segunda derrota da HISTÓRIA do time colombiano na Libertadores. Jogo de volta tranquilo, já ganho? Não! Ainda mais quando o meia (arriada) Roger foi expulso aos 30 minutos do primeiro tempo.

Com isso, o time colombiano cresceu. Foi tomando conta do jogo. Em 5 minutos calou o estádio, aos 21 abriu o placar e aos 26 fez o 2×0 que lhe dava a vaga. Daí em diante era aquela catimba característica da Libertadores contra Brasileiros, até o Massagista invadiu o gramado para parar o jogo.

Depois dessa quarta-feira negra para o Brasil, o Santos só dá risada, pois é o único brasileiro da Libertadores.

Abraços.
Caio di Pacce.

Com a taça na mão

O Brasileirão é fácil o campeonato mais emocionante do mundo. A rodada do fim de semana era para definir o campeonato. O Corinthians está com a taça na mão, mas infelizmente não pelo futebol apresentado na última rodada.

Não vou entrar na discussão sobre complôs, armações, nada disso. O time corinthiano foi beneficiado pela arbitragem contra o Cruzeiro, assim como fora prejudicado contra o Guarani, simples assim.

Como membro da Liga anti-penaltis à brasileira, criada pelo jornalista Mauro Cezar Pereira da ESPN Brasil, não marcaria nada no lance que definiu o jogo do Pacaembu.

O Cruzeiro foi melhor durante os 90 minutos, teve lances não marcados pela arbitragem, impedimentos, faltas, e no primeiro lance duvidoso a favor do Corinthians. Mas daí, fazer todo aquele estardalhaço após a partida, é brincadeira.

Todo essa discussão do pênalti em cima do Ronaldo teria uma tonalidade menor, se o Fluminense fizesse o dever de casa. Mas, o time de Muricy Ramalho sentiu a pressão e empatou contra o virtual rebaixado Goiás.

Agora, o Corinthians está com a taça nas mãos, Tite tem o grupo na mão, Ronaldo é decisivo, Roberto Carlos também. Tudo conspira a favor do Timão. Será que alguém tira o penta do Parque São Jorge?

Abraços.
Caio di Pacce.

O fator Palmeiras e São Paulo

Faltam 4 rodadas para o fim do Brasileirão. Pela primeira vez desde 2003, com a mudança para os pontos corridos, três times brigam na ponta da tabela com apenas 1 ponto de diferença. Um final eletrizante, mostrando mais uma vez que essa é a melhor fórmula de disputa do campeonato nacional.

Porém, a tabela pode (ou não) ter prejudicado o Corinthians, dado que nesse resto de campeonato os seus rivais locais, Palmeiras e São Paulo, enfrentam o Fluminense. O time verde ainda termina o brasileiro jogando em Minas contra o Cruzeiro.

- Hei! Podemos decidir o Brasileiro

O time de Parque Antártica já desencanou do Brasileiro, colocou 8 reservas contra o Guarani no último domingo, e essa será a opção do treinador Felipe Scolari para as próximas rodadas caso ganhe dos reservas do Atlético-MG na próxima quarta-feira pela Sul-americana.

O Palmeiras está priorizando o torneio que tem condições de ganhar, uma vez que não tem um elenco recheado de bons jogadores, que lhe permite ter dois times competitivos. Não é uma opção do treinador para prejudicar o rival, mas sim para beneficiar o clube.

O tricolor carioca e o clube azul de Minas enfrentarão sim um Palmeiras enfraquecido, mas não um time disposto a perder.

O São Paulo ainda briga por uma vaga na Libertadores. Como fez há duas rodadas atrás contra o Cruzeiro, brigará pelos 3 pontos e venderá caro a derrota no jogo contra o líder Fluminense, mesmo com a brincadeira do site corinthiano.

Não haverá entrega de pontos para Cruzeiro e Fluminense. Disso o Corinthians não pode reclamar.

Abraços.
Caio di Pacce.

ENQUETE: Quem vai levar o Brasileirão?

 

Abraços.
Caio di Pacce

A falta do camisa 9.

O Corinthians mais uma vez mostrou que precisa de um camisa 9. Ontem enfrentou o bom Cruzeiro em Minas Gerais. Jogo duríssimo, 1×0 para a raposa. Mas faltou futebol aos Corinthianos.

Ano passado, nesse mesmo embate em Minas Gerais o placar foi diferente. 2×1 pro Timão. Melhor em campo foi Ronaldo. Ele deu um lindo passe para Jorge Henrique no primeiro gol e recebeu um presente de Jucilei para completar no segundo. Ele ainda perdeu um penalti, mas foi o jogador que fez a diferença no jogo.

Veja os gols daquele embate:

Enquanto isso, em Goiás, o Fluminense fazia 3xo no Goiás com 2 gols de Washington, um atacante que estava dando sopa no mercado, já que fora colocado na geladeira pelo SPFC. E ainda mais, durante essa semana o Flamengo anunciou a contratação de 2 atacantes de altíssimo nível: Diogo e Deivid.

O Corinthians tem bons jogadores e um bom elenco, porém carece de um matador. Ronaldo, cada dia que passa, está mais longe de voltar aos gramados e não há ninguém para fazer a mesma função.

O Fluminense, que não tem nada com isso, vai abrindo na liderança……

Abraços.
Caio di Pacce.

FOTO: LANCENET!

Classificação paulista!

Hoje dois grandes jogos aconteceram, duas classificações importantíssimas em dois grandes clássicos do futebol brasileiro. No Morumbi, o São Paulo recebeu o Cruzeiro podendo perder até por 2 gols de diferença, em jogo válido pelas quartas-de-final da Copa Libertadores.

Na Vila Belmiro, o palácio do futebol brasileiro, recebeu um jogaço entre Grêmio e Santos, válido pela semi-(final) da Copa do Brasil, no qual o time da casa precisava ganhar do tricolor gaúcho. A disputa dos dois melhores times do Brasil, na minha humilde opinião.

A missão do São Paulo não era difícil, e ficou muito mais fácil quando Kléber foi expulso no primeiro minuto de jogo, após isso, o São Paulo manteve a posse de bola e soube controlar toda a partida. Os gols tricolores foram meros detalhes, Hernanes abriu o placar no primeiro tempo e Dagoberto completou no segundo: 2×0 e um massacre tricolor. Classificação merecida.

O Santos sofreu muito, principalmente no primeiro tempo, quando o Grêmio marcou muito, conseguiu anular as principais jogadas dos jogadores santistas, e quase abriu o placar. Mas quem vacila contra o Santos, principalmente na Vila, sofre.

No segundo tempo o clube da baixada começou avassalador, o Grêmio marcava muito, mas talento é muito dificil de se marcar, em uma linda jogada PH Ganso, num petardo de longa distância, o Santos abriu o placar. Minutos depois, um contra-ataque rápido e Robinho mostrou porque joga na seleção, encobriu o Vitor e ampliou o placar.

Mas o Grêmio é forte, principalmente na bola aérea, numa falta boba Jonas cabececou e Rafael Marques diminuiu. A partir dali era um jogo aberto, sem tática e muita vontade. Nessa batalha o Santos falou mais forte, Wesley definiu o placar: 3×1.

Parabéns ao São Paulo e ao Santos.

Abraços.
Caio di Pacce.

FOTOS: LANCENET!

O Campeão voltou?

A peça que faltava encaixou. Com boa estréia de Fernandão, o antes desacreditado tricolor paulista renasceu das cinzas da raposa celestial pela Libertadores.

O histórico ponto forte do São Paulo fez seu peso em ouro na primeira etapa. Bem postada e tranquila, a defesa paulistana suportou a pressão cruzeirense. Muito mais exigida após o gol de Dagoberto, concluindo a tabela de Fernandão e Marlos. Xandão se firma na posição e aparece como uma bela promessa.

O Palestra Itália mineiro volta no segundo tempo pressionando. Logo aos 4 minutos, Rogério Ceni faz boa defesa depois da patada rasteira de Thiago Ribeiro. Sentindo o momento, o técnico Adilson Batista coloca Guerrón em campo.

A pressão ofensiva mineira é o gérmen do contra ataque são-paulino. Tanto que após uma roubada de bola, Fernandão recebe na intermediária direita. Encarnando Sócrates, coroa sua estréia e acerta um lindo passe de calcanhar para o volante Hernanes. No canto esquerdo, São Paulo 2 a 0.

Thiago Ribeiro ainda diminui para o Cruzeiro, mas o juíz marca um impedimento duvidoso. Porém, já era tarde. O cansaço físico toma conta dos dois times e a infantaria azul perde precisão e organização.

Depois de uma semana em que assistimos são-paulinos preocupados com o jogo no Mineirão, o time paulista parece ter renascido na competição. Parece que o ano acabou de começar.

Ainda é cedo para dizer que Ricardo Gomes acertou o time. No entanto, ficou claro que Washington perdeu seu lugar. Fernandão deu uma outra dinâmica para o ataque. Por sua vez, a defesa recuperou a confiança. O sinal amarelo fica para Cicinho que precisa urgentemente recuperar a forma física.

Antes carrasco, Fernandão voltou. Será que trouxe de volta o campeão?

Foto: Agência Lance

Melhores e Maiores

Há muito tempo esse post está para sair. Esse papo surgiu no futebol de sábado, por isso quero agradecer o pessoal de lá (Banderas, Douglas, Anderson, Paçoca, Dener, Tércio) e os que contribuíram depois (Du, Gaúcho, Caio, Garza, Chaveta).

 Nem sempre os melhores de um clube são os maiores. Depois de muita conversa, chegou-se a seguinte lista. Claro que você não concorda, mas aí vai:

Ficou faltando alguém?