E a Copa Começou, 3×1 Brasil

Estréia de Neymar com 2 gols

Estréia de Neymar com 2 gols

Está tendo Copa do Mundo no Brasil. Hoje, após uma festa de abertura mais ou menos, mais ou menos, o Brasil enfrentou o bom time da Croácia num belo jogo de futebol em São Paulo. E a Copa começou bem melhor do que o jogo de estréia na África do Sul, teve muita emoção na entrada dos times e no hino nacional, teve susto com o gol contra de Marcelo, teve força de recuperação do time brasileiro, com 2 gola de Neymar em sua estréia de Copa do Mundo e um partidaço de Oscar.

O Brasil entrou em campo visivelmente nervoso, o time estava sentindo o peso da estréia, após entrarem em lágrimas no hino nacional, o selecionado canarinho demorou para transformar a energia das arquibancadas em futebol. E nesse momento a Croácia aproveitou, chegou nos contra-ataques pelos flancos, nas costas de Daniel e Marcelo, abrindo o placar.

E nesse momento, o time de Felipão mostrou um poder de reação que ainda não havia mostrado, pois sempre saía na frente do placar. E não decepcionou. Neymar mostrou que pode ser decisivo, abriu um placar num chute cirúrgico, devagar, no santinho: 1×1.

Depois disso o Brasil começou a dominar o jogo. Ganhou o meio campo, Oscar marcava por ele e por Paulinho, que foi mal. Luiz Gustavo fazia a primeira volância muito bem, não deixando Modric gostar do jogo e Davi Luiz foi um monstro atrás.

Fred estava pouco participando da partida, até que demonstrou um poder de atuação muito bom, que ludibriou o árbitro japonês que deu um pênalti para o Brasil, Neymar cobrou mal, mas a bola entrou: 2×1.

E, no final da partida, quando a Croácia voltou a jogar, o Brasil puxou um contra-ataque e o menino Oscar, de bico, lembrando Romário, completou o placar: 3×1.

A estréia foi boa da seleção brasileira e a Copa começou bem, já com cara de Copa do Mundo. Sejam bem-vindos, a Copa é aqui.

Abraços.
Caio Di Pacce.

O retorno do Bigode

Aqui não tem gracinha!

Luis Felipe Scolari será anunciado nessa quinta-feira como o novo treinador da Seleção Brasileira de Futebol. Após 10 anos do penta-campeonato o gaúcho de Passo Fundo retornará ao comando técnico canarinho.

Andrés Sanches se demitiu após a saída de Mano Menezes, criticou a decisão de Marin, Presidente da CBF, e pôs seu cargo a disposição. A verdade é que Mano Menezes fez um trabalho ruim a frente ao selecionado verde-amarelo. Fez muitas convocações suspeitas, de jogadores do seu empresário, convocações que auxiliaram a venda de alguns jogadores, não conseguiu dar um padrão tático ao time e perder a Copa América e a Olímpiadas, essa última para o Time C do México.

Creio, essa é a minha opinião, que a CBF acertou nessa contratação, Felipão é o treinador mais correto para dar essa injeção de ânimo e confiança para o time. O time brasileiro não precisa jogar bonito, precisa vencer. Em 50 jogamos bonito, fomos a melhor seleção, mas demos com os burros n´água em pleno Maracanã.

Felipão é especialista em mata-mata, tem o recorde de 13 jogos invíctos (seguidos) em Copas do Mundo. Ele vai dar a consistência tática que o time precisa, não vai deixar a nossa zaga exposta e vai dar o espírito vitorioso e copeiro que precisamos para vencer as seleção mais qualificadas que a nossa (Alemanha, Espanha, Argentina).

Além disso, com ele teremos um grupo unido, focado e preparado para jogar essa Copa em casa. Não será fácil enfrentar a pressão da torcida querendo a vitória. Jogar uma Copa das Confederações será a melhor preparação para a nossa seleção.

#ForzaBigode, agora verde-amarelo.

Abraços.
Caio Di Pacce.

Esse ano vai dar ouro?

GOOOOLLLLL!!!!

A seleção brasileira de Mano Menezes, sem o logo da CBF no peito, é disparada a melhor Seleção no Papel dessas Olimpíadas de Londres 2012. Neymar, Oscar, Hulk, Damião fazem um ataque de respeito. Thiago Silva é um dos melhores zagueiros do mundo, Marcelo vem jogando muito bem pelo Real Madrid nas últimas temporadas.

Na prática, o Brasil ainda não enfrentou nenhum time de peso nesse campeonato Olímpico, e quase se complicou duas vezes, contra o Egito no segundo tempo e contra Honduras, quando ficamos atrás no placar duas vezes, mesmo com um homem a mais desde o primeiro tempo.

Mano Menezes convocou o melhor que tinha disponível para essa competição, uma pena somente a contusão do Goleiro Rafael, jogador dos Santos, a gente viu como goleiros jovens, mesmo com talento, oscilam em competições importantes. O Santista já tem uma Libertadores nas costas e vários jogos de decisão na carreira. Isso pode fazer a diferença.

Mas vejo esse time com potencial, ainda mais quando outras equipes importantes foram caindo pelo caminho, como o caso do Uruguai, Espanha, Grã-Bretanha. As Semi-Finais serão: México x Japão e Brasil x Coréia do Sul. O Brasil tem time para vencer suas duas próximas partidas, independente do adversário. Meu único medo é a equipe mexicana.

O México, nos últimos 10 anos, vem sendo um pé no sapato da seleção canarinho, eles já nos eliminaram em Copa das Confederações, nos venceram duas vezes em Copa América, e ganharam dessa mesma seleção, em um amistoso para os preparativos dos Jogos Olímpicos. É verdade que enfrentamos o México titular, não o México Olímpico, mas muitos daqueles jogadores estão jogando em Londres.

– Eles são perigosos amigo!

Mas mesmo assim, estou confiante!

Vamos Brasil!

Abraços.
Caio Di Pacce.

Brasil x Holanda: Batalhas Épicas.

Meu texto para a coluna COPA EM MARTE do blog http://coletivomarte.wordpress.com

Nossa seleção canarinha enfrentará a Holanda. Um encontro extremamente equilibrado, de duas das mais fortes seleções dessa Copa. Esse embate já aconteceu 3 vezes em Copas do Mundo, e foram três grandes jogos, dos mais emocionantes já visto nessa competição.

Copa de 1974: Semi-final – Holanda 2 x 0 Brasil.

 
O atual campeão rendera-se a Laranja Mecânica e seu futebol total. Aquela Holanda de Cryuff e Rinus Michels revolucionou o futebol. Toda a noção tática de hoje teve em sua fase embrionária com aquela seleção. Os adversários se espantavam com o que viam, da maneira pitoresca desse time jogar.

O Brasil, atual e indiscutível campeão do mundo de 1970, simplesmente viu o time holandês jogar, não conseguiu entender suas movimentações, o princípio de todos acatam e todos defendem era complexo demais para os brasileiros. Ou seja, a Holanda fez mais uma vítima. Destaque para a expulsão de Luís Pereira, a primeira do Brasil em Copas.

Copa de 1994: Quartas-de-final – Brasil 3 x 2 Holanda

A revanche brasileira veio com muita emoção. O time brasileiro que seria tetra-campeão do mundo enfrentava outra belíssima geração holandesa, de Berkgamp, Gullit, Rijkaard. O time brasileiro tinha mais conjunto, e dessa vez, uma melhor disposição tática, que jogava em função de um talento maravilhoso: Romário.

Após um primeiro tempo fraco, o Brasil abriu vantagem de 2×0, com Romário e Bebeto, que eternizou a comemoração do berço, em homenagem ao nascimento de seu filho. A Holanda, em questão de 5 minutos empatou a partida, e tudo parecia encaminhar para prorrogação.

Mas Cláudio Branco, jogador do Corinthians na época, que fizera história no Genoa e Fluminense, quis por fim a esse tormento: Aos 39 minutos ele sofreu uma falta, e soltou a perna esquerda, uma bomba, certeira. Deu tempo apenas para Romário desviar as costas. Resultado: Brasil 3×2 e um choro de Branco com o treinador Parreira.

Copa de 1998: Semi-final – Brasil 1 (4) x 1 (2) Holanda.

Seria a desforra holandesa, o time laranja era formado por Berkgamp, Davids, Seedorf, Kluivert, entre outros craques de um período muito fértil para os países baixos. O time do Brasil tinha Ronaldo, em ótima fase, uma boa defesa, laterais ofensivos (Cafú e Roberto Carlos), o maestro Rivaldo e o goleiro especializado em defender penaltis: Taffarel.

Após outro primeiro tempo morno, Ronaldo abriu o marcador logo na volta dos clubes ao gramado. O time brasileiro se fechou para explorar os contra-ataques. O time holandês se desesperava, porém, minutos antes dos narradores comemorarem a vitória, Kluivert cabeceou sem chances para Taffarel: 1×1.

Após uma prorrogação (de morte súbita) com algumas boas chances, a decisão foi para os penaltis. O time brasileiro estava credenciado por um título mundial conquistado nesse tipo de disputa. Tinha um goleiro especialista e um fator psicológico positivo.

Por isso deu Brasil. Taffarel pegou duas cobranças e o Brasil se classificou para a final. Em um dos jogos mais emocionantes de todas as Copas.

Quanto ao embate de amanhã, esse promete, mas creio que o Brasil vença outra vez!

Abraços.
Caio di Pacce
do blog https://copeiros.wordpress.com

Podcast Copeiros: Oitavas de Final e Brasil x Portugal

Abraços
Caio di Pacce

PS: Desculpe pela falta de voz. Tive uma semana gripada! haha!

Assim foi, assim será

O Brasil finalmente debutou na Copa da África. Ontem, sob um frio cortante, venceu a figurante Coréia do Norte por dois tentos a um. Uma vitória nada convincente frente as altas expectativas do povo brasileiro.

Expectativas infundadas é verdade. Fomos embalsamados pela mística da camisa amarela, pintamos as ruas e compramos vuvuzelas. Nos aprontamos prontamente para um espetáculo de futebol. Badalamos a Seleção como sempre fizemos. Mas dessa vez, assim como da última, ficamos com a sensação de que podia ser mais.

Assim que acabou o jogo, a maioria do pessoal deve ter pensado: Só? Pois é, foi só isso mesmo. E foi aí que nossa ilusão se esvaneceu. Queríamos show e goleada, mas olhando para trás, quando foi que o time de Dunga deu espetáculo nesses quatro anos?

Talvez no amistoso contra a Itália, ou em um ou outro jogo das Eliminatórias, contra os tradicionalmente fracos do continente. No entanto, o que o país parou para ver ontem é o que vínhamos vendo desde 2007: um time que só sabe jogar na defesa.

Enquanto Kaká continuar meia-bomba, o Brasil não vai emplacar. Os gols vão continuar a sair de lances pontuais como o chute de Maicon e a qualidade de Robinho. Por sua vez, a defesa mostrou sua fraqueza. Como a Coréia não oferecia perigo, os defensores canarinhos foram ficando desatentos. Por isso, tomamos um gol bobo.

Sobre o que esperar do jogo da Costa do Marfim, vou na de José Trajano de esperar para ver. O grupo não provou nada em um jogo que poderia firmar os pés e mostrar: Ó somos favoritos e vamos passar o carro.

Parecia mais fácil nos comerciais da Brahma.

Foto: Getty Images