O Fim de Luxemburgo

Ontem o Atlético-MG foi goleado pelo FLuminense no Rio de Janeiro por 5×1. As pressões sobre os ombros da cartolagem atleticana foram tanta que eles não tiveram outra opção: Demitir o treinador (W)Vandelei(y) Luxemburgo.

Luxemburgo foi o rei dos anos 90, primeiramente com o Bragantino, campeão paulista de 1990, depois com a era Parmalat do Palmeiras de 93/94, faturou dois paulistas, dois brasileiros e dois Rio-SPs. Ainda foi o responsável por montar o time do Corinthians de 98/99/2000, de Marcelinho, Ricardinho, Rincon. Time esse que levou dois brasileiros.

Sua especialidade era sua visão de jogo, sabia mudar o time, quem colocar, e em qual momento colocar. Era muito famoso por motivar bem seus jogadores antes das partidas. Ele também sabia deslocar jogadores de posição, como fez com Rincon, Edilson. Ele era inovador.

Seu ápice foi com o Cruzeiro de 2003, timaço que ele montou, centralizado no craque Alex. E o Real Madrid, em 2004, segundo grande fracasso de sua carreira, vide sua participação na seleção brasileira.

Depois disso, o treinador viveu de sua grife. Largou a mão de ser treinador e começou a ser manager. E parou no tempo. Nos últimos anos não tinha mais a qualidade de enxergar boas contratações, vide Fabinho Capixaba, deslocar jogadores de posição, vide Martinez e sua escalação como “volante-help”.

Sua participação no Atlético-MG foi a tampa do caixão.

Abraços.
Caio di Pacce.

Anúncios

A volta dos boleiros

É certo que ninguém esperava, ou queria, que o Antonio Carlos fosse para o Palmeiras. Mas isso traz à tona uma coisa mais interessante e benéfica para o futebol. E essa novidade vem do banco de reservas.

Continuando com o Palmeiras como exemplo, todos lembram do Jorginho? Ele era jogador e assumiu interinamente a equipe, enquanto a diretoria se debatia por um figurão. Com ele no comando, o time deslanchou: 10 jogos invictos. Esses resultados deram fôlego para o time paulista ficar na ponta do Brasileirão por muito tempo.

Podemos também falar do técnico campeão de 2009. O Andrade, ídolo da década de 80, conquistou o elenco arredio (Adriano e Pet não são dos mais comportados) e serenamente conduziu o rubro negro para o título.

Até mesmo o Dunga, que apesar de um estilo rude, não vestia a canarinho à toa. Sabia de bola. Com essa canxa toda, fechou o grupo brasileiro e segue trabalhando tranquilamente.

Podemos enumerar milhares outro ex-jogadores que estão dando certo em suas equipes. O Silas, acabei de lembrar. Mas o fato é que boleiro como “professor” agrada o plantel. Talvez por saber mais da realidade do jogador, como ele pensa e como ela vai reagir.

Os boleiros que decidem se travestir de sumidades, inegavelmente se tornam o centro das confusões que geram suas demissões. Vimos o Passarela no Corinthians e agora o Muricy no Palestra.

Antonio Carlos é boleiro. O escrete do Palmeiras gostou.

Copa do Brasil

Hoje começa o torneio mais legal da CBF: a Copa do Brasil.

É um torneio razoavelmente democrático, onde todos os estados do país estão representados. Fato esse que gera muito folclore e muitas curiosidades.

O primeiro campeão do torneio foi o Grêmio, ao derrotar o Sport em 1989. Desde então, o formato da competição veio se transformando. Devido ao hiato entre os grandes e pequenos clubes, a federação adotou a ida e volta restrita. Evitando assim, mais goleadas históricas (como a do Galo sobre o Caiaçari do Piaui em 1991, 11 x 1) e viagens desnecessárias, para os já paupérrimos clubes pequenos.

Os favoritos desse ano são Palmeiras, Vasco, Santos e Atlético-MG.

O primeiro precisa desse título para apagar a desastrosa campanha de 2009.

O segundo, para selar de forma triunfante seu retorno a elite do futebol nacional.

O terceiro quer acabar com a fila sem títulos significantes.

Por fim, o quarto tem um técnico que busca retornar aos holofotes como um dos grandes do ofício.

No entanto, a Copa do Brasil é legal por causa das surpresas. Em 2004 e 2005, o país assistiu respectivamente, ao Maracanazzo do Santo André  e a glória do Paulista de Jundiaí.

Sem contar que em 1991, um tipo que atendia pelo nome de Felipão, deu ao tigre de Santa Catarina seu título máximo.

Luxa no Galo. A grife ainda conta.

Luxemburgo foi para o Atlético-MG, isso foi anunciado faz um tempo, mas escolhi esse assunto para meu primeiro post de volta a terra brasilis. É incrível como os cartolas ainda acreditam em grife no futebol. Em momentos de crise os times confiam na grife para espantar as críticas. Foi assim com o Santos e com o Galo agora.

O “Professô” foi chamado em BH, depois do fracasso de Celso Roth em conseguir uma vaga na Libertadores, e pior, viu o rival Cruzeiro com essa vaga. O ano não poderia terminar pior para o alvi-negro mineiro. Luxemburgo passou do ápice de sua carreira, hoje tem mais sucesso com atividades extra-campos do que com suas habilidades como comandante técnico.

O time do Atlético não é de todo ruim, tem jogadores bons como Ricardinho, Correa, e o atacante Diego Tardelli, que me calou com seu ótimo rendimento em 2009. Reforços virão, como sempre vieram em tempos de Luxemburgo, mas vejo sua contratação mais como uma emergência, do que como um projeto inovador que levará o Galo à títulos.

Hoje em dia, se tiver em uma emergência, chame o Luxemburgo para calar a crítica por um tempo, todo o discurso de projeto aparecerá e se tiver sorte,  ganhará um título regional.

Abraços.
Caio di Pacce.

PS: É bom estar de volta.

Internacional: Um presente pra Luxemburgo

luxisburgerO time de Porto Alegre demitiu Tite no fim de setembro, e contratou Mário Sérgio como um “tapa-buraco” até o fim do ano. E muitos estão dizendo que o atual treinador do Santos, Luxemburgo, já assinou o contrato com o Internacional para o ano que vem.

Mas que presentaço para o Luxemburgo! O treinador mais caro do Brasil chegou no Santos com papo de projeto, arrranjou encrenca, dispensou alguns jogadores, não conseguiu colocar o Santos numa posição boa na tabela, também não conseguiu vencer nenhum clássico. O que ele ganha? A change de dirigir um dos melhores elencos do país!

O desempenho do treinador já foi melhor, mas a sua conta bancária está subindo cada vez mais. O treinador tem instituto, Blog na internet, twitter, dá palestra, ganha participação de jogadores pelos clubes que passa, etc. Isso, claramente, está atrapalhando seu desempenho dentro das 4 linhas. E os times ainda acreditam na sua capacidade.

Apesar que na última vez que saiu do eixo “Rio-SP” ele foi muito bem, no Cruzeiro de 2003. Bem, veremos como será seu desempenho no Beira-Rio.

Abraços.
Caio di Pacce.

Emerson não joga mais pelo Santos.

SANTOS FC / TREINOO veterano volante Emerson de 33 anos rescindiu hoje o contrato com o Santos FC. Via Twitter o clube praiano anunciou essa decisão. O jogador chegou na Vila Belmiro dizendo que iria fazer história, que queria jogar a Libertadores do ano que vem com o treinador Luxemburgo.

Muitas promessas e pouco futebol. A pequena passagem do ex-capitão da seleção brasileira pela Baixada foi marcada por escândalos extra-campo e contradições quanto sua condição física. A razão oficial da rescição do contrato foi uma cirurgia na tíbia da perna esqueda do jogador.

A promessa de Emerson sobre a Libertadores com Luxemburgo foi às favas. A Libertadores, provavelmente, não terá o Santos, que não terá Emerson para o ano que vem, e provavelmente nem Luxemburgo. Há rumores que o treinador já está acertado com o Internacional para o ano que vem.

Abraços.
Caio di Pacce.