Fluminense é o Campeão Brasileiro de 2012

Sim, o tricolor carioca foi campeão mais uma vez do Brasileirão, e dessa vez, mais do que nunca, um título muito merecido. Um elenco extremamente competente, com jogadores de nível de seleção brasileira, treinados por um excelente treinador. Hoje, em Presidente Prudente o tricolor das laranjeiras bateu o rebaixado Palmeiras por 3×2, numa partida muito brigada e corrida, e garantiu a taça com três rodadas de antecedência.

O Fluminense, desde que assumiu a liderança, não viu seu título ameaçado em nenhum momento. Time que tem o melhor goleiro do Brasil, que tem o melhor centro-avante, o mais matador, possui um elenco de altíssimo nível, e que vem para essa Libertadores mais forte do que nunca.

O símbolo dessa equipe é o Capitão Fred, artilheiro da competição com 18 gols, fez 2 na vitória decisiva. Esse atacante mineiro, lidera a equipe, dentro e fora de campo, sabe finalizar como poucos e não treme em momentos decisivos. Essa é a cara do campeão brasileiro.

Parabéns ao Fluminense, mais uma vez campeão.

Abraços.
Caio di Pacce.

Jogaço em Minas Gerais

O Estádio Independência em Minas Gerais foi palco da partida da rodada, Atlético MG x Fluminense, os dois times brigando pela ponta da tabela. Os dois melhores times desse campeonato brasileiro, o líder contra o vice-líder, praticamente uma final antecipada.

E o jogo foi muito pegado, o Atlético MG chegava sempre com perigo, nos pés de Ronaldinho e Bernard. O Fluminense jogava mais fechado, porém sempre com perigo, Fred e Wellington Nem sempre eram perigosos.

Até que Ronaldinho foi bater uma falta pela esquerda, colocou na rede, mas o juíz anulou, um jogador do Atlético MG, teria deslocado a barreira. Isso é comum, eu lembro de um São Paulo e Santos, Carlos Alberto, no SPFC ainda, fez exatamente igual ao atacante atleticano e o juíz validou o gol. Mas contra o Fluminense, é falta.

Na verdade o Juíz do jogo quis apagar o incrível jogo de futebol, e manchar uma partida muito intensa, brigada e de ótima qualidade técnica. O Fluminense abriu o placar com Wellington Nem, aos 10 minutos, num momento em que o Galo mandava no jogo.

A pressão do Atlético aumentou, mas a bola não queria entrar, estava com cara daquele jogo de sorte de campeão do Fluminense, até que Jô igualou o marcador, aos 23 min da segunda etapa. Aos 36, o mesmo Jô virou a partida. A torcida explodiu dentro do Independência.

Porém, o Fluminense não é líder a toa, e Fred é decisivo. Ele teve uma chance, e guardou, aos 40 do segundo tempo, quando já diziam que o jogo era do Galo. O empate que praticamente garantia o título para o Tricolor carioca.

Mas o Galo, é forte e é vingador. Leonardo Silva, o zagueiro artilheiro, colocou a cabeça na bola aos 47 e garantiu a vitória. O juizão ainda quis complicar ainda mais, quando Fred deu uma cotovelada em Júnior Cesar que foi chutar a bola, impedindo o re-início do jogo. O lateral tomou o amarelo, e Fred saiu ileso.

Mas o futebol venceu, fomos presenteados com uma partidaça de futebol, craques, como Ronaldinho, Deco, Fred, Bernard, Wellington Nem, etc, com viradas no placar e um campeonato ainda aberto, com muitas rodadas pela frente para se decidir.

Abraços.
Caio di Pacce.

Final da Copinha

Amanhã, aniversário da cidade de São Paulo, o Estádio do Pacaembú receberá mais uma final de Copa São Paulo de Futebol Júnior. O embate será entre Corinthians x Fluminense.

Será o jogo entre as duas melhores equipes da competição, os times que vieram goleando seus adversários em cada fase. Creio eu que será um jogaço.

É bem verdade que as duas equipes ainda são muito imaturas, e frágeis em alguns setores do campo, mas o futebol júnior é composto por esses elementes, e a Copinha é feita para preparar essas jovens promessas para a carreira profissional no esporte.

Essa final será o oitavo embate entre Paulistas x Cariocas nessa competição, e a vantagem está nas terras guanabaras. Os times do RJ tem 5 vitórias e São Paulo tem apenas 2. Além do mais, é a final entre os dois maiores detentores de Taças dessa competição, o Corinthians tem 7 e o Fluminense tem 5.

E o Corinthians já enfrentou o Fluminense em uma final de Copinha, em 1973. Naquela ocasião o time carioca venceu o Timão em pleno Pq. São Jorge, nos pênaltis, após um 0x0 no tempo normal.

Vamos ver quem vencerá esse embate em 2012, será a revanche ou uma confirmação de freguesia? Veremos.

Abraços.
Caio di Pacce.

Super-Herói em apuros

Até a metade dos anos 90 o Rio de Janeiro não tinha um Rei. Antes da dinastia de Romário, Túlio e Renato Gaúcho – que passaram pela Europa ou times de outros estados nesse período -, o futebol da Cidade Maravilhosa tinha um Super-Herói. Para ser preciso seu nome era Super Ézio e jogava no Fluminense.

Batizado assim pelo narrador Januário ‘Cruel’ de Oliveira, o atacante pouco habilidoso, mas muito oportunista, era o responsável por levar a torcida tricolor à loucura em uma época de vacas magras do Fluminense, no qual jogos do Campeonato Carioca chegavam a ser disputados até mesmo na segunda-feira à noite.

Apesar de poucos títulos na bagagem, Ézio é o oitavo maior artilheiro da história do Flu, com 118 gols em 236 jogos. Depois de cinco anos na equipe, o jogador seguiu para o Atlético Mineiro, CFZ (RJ), Inter de Limeira e Rio Branco. Não teve sucesso em nenhuma dessas equipes e encerrou a carreira em 1998. Vai ver sua fortaleza sempre esteve em Laranjeiras e qualquer outro ambiente funcionava como criptonita que confundia seu faro de goleador.

Agora o super-herói está em apuros. Notícias recentes apontaram que ele está com câncer. No jogo de domingo, entre Fluminense 1 x 0 Corinthians pelo Brasileirão, o atacante Fred prestou uma homenagem ao super-herói do passado e entrou em campo com a camisa 9 e o nome de Ézio nas costas.

A fibra que a equipe demonstrou em campo para derrotar o líder do campeonato, com um gol chorado, com certeza fez muito torcedor se lembrar do tempo que o Fluminense ganhava partidas por magros 1 a 0, um único gol, mas um gol de super-herói. Afinal, como narrava Januário ‘Cruel’ de Oliveira: “Super-Herói é pra isso!”.

E o Santos virou Brasil na Libertadores.

Hoje 4 clubes brasileiros disputavam 4 vagas para as quartas-de-final da Taça Libertadores. Internacional, Fluminense, Grêmio e Cruzeiro queriam se juntar ao Santos na próxima fase da competição mais importante do continente. Porém, a noite foi mais do que negra para os clubes tupiniquins.

O Internacional recebeu o uruguaio Peñarol em casa após um 1×1 no Uruguai. Falcão no banco e a torcida estava feliz. O time vermelho abriu o placar logo no primeiro minuto de jogo com Oscar. Mas, no segundo tempo, com 15s o time uruguaio empatou, e aos 5 virou. Daí era nervosismo puro na arquibancada e no campo. Inter eliminado.

Como disse Tércio Silveira, pergunto: O que o comentarista Falcão falaria do treinador Falcão após a partida?

O Grêmio foi ao chile precisando vencer por 2 gols, missão complicada, ainda mais com o show que a torcida da La U dava nas arquibancadas, umas das canchas mais locas dessa Libertadores. O time do Grêmio jogou muito pouco, parecia estar sem alma, tomou 1×0 e voltou pra casa sem a vaga.

Porém o mais impressionante foi o que aconteceu com Fluminense e Cruzeiro:

O primeiro se classificou na raça, na guerra, em pleno estádio Libertadores da América contra o Independente. No Engenhão, jogou mal, porém venceu por 3×1 o paraguaio Libertad, e estava tranquilo. Eu disse estava. Porém, no Defensores del Chaco, mais uma vez o tricolor carioca jogou mal e tomou um vareio de bola. 3×0 e a vaga para os donos da casa.

E o Cruzeiro, o todo poderoso Cruzeiro, que era a sensação da América, foi à Colômbia e venceu o Once Caldas por 2×1. Essa foi a segunda derrota da HISTÓRIA do time colombiano na Libertadores. Jogo de volta tranquilo, já ganho? Não! Ainda mais quando o meia (arriada) Roger foi expulso aos 30 minutos do primeiro tempo.

Com isso, o time colombiano cresceu. Foi tomando conta do jogo. Em 5 minutos calou o estádio, aos 21 abriu o placar e aos 26 fez o 2×0 que lhe dava a vaga. Daí em diante era aquela catimba característica da Libertadores contra Brasileiros, até o Massagista invadiu o gramado para parar o jogo.

Depois dessa quarta-feira negra para o Brasil, o Santos só dá risada, pois é o único brasileiro da Libertadores.

Abraços.
Caio di Pacce.

Time de Guerreiro: A estréia de Deco na Libertadores

O Fluminense venceu ontem o América-MX por 3×2 em uma daqueles jogos que fazem a Libertadores ser A LIBERTADORES. Uma dupla virada no finalzinho do jogo, que marcou a estréia do Luso-Brasileiro Deco no maior torneio sul-americano, o bi-campeão da Champions League não podia estrear melhor.

O time carioca entrou em campo jogando ofensivamente, pois precisava vencer, com isso pressionava o time mexicano, que em um chutão pra frente e uma falha homérica do goleiro Berna e Digão, deixou Sanchez sozinho pra marcar: América-MX 1×0. O Fluminense voltou a atacar, e em uma bola aérea empatou o jogo, com Gum, ainda no primeiro tempo.

Na segunda etapa, a posse de bola era 65% para os tricolor carioca, mas era uma posse sem inflitração, sem criatividade. Para sanar tal carência, saiu o machucado Mariano e entrou Deco. Logo após sua entrada, exatamente aos 27 minutos, e em mais uma falha de Berna, Digão completou pra dentro: 2×1 América-MX.

Já estava vendo a foto de Berna e Digão no mercado livre, quando Deco cruzou e Araújo completou para igualar: 2×2. Mas o empate já não bastava, o time da casa precisava vencer pra voltar a sonhar com a classificação. O Treinador interino já tinha colocado 2 atacantes e 1 meia a mais. E o jogo era ataque contra defesa.

Eis que aos 43 minutos do segundo tempo, a zaga fluminense lanca um chutão de trás, Fred escora de cabeça e Deco, com um leve toque, encobre o goleiro. Fluminense 3×2 e muita emoção no Engenhão. O time das laranjeiras voltou a sonhar com a classificação.

Fluminense saiu do coma, mas ainda respira por aparelho.

Se o Fluminense se classificar o Deco terá um busto nas Laranjeiras, com ratos, é verdade.

Abraços.
Caio di Pacce

Top 10: Gols mais marcantes do futebol brasileiro (2000-2010)

Eu fiquei montando essa semana um TOP 10 gols brasileiros dessa última década (2000-2010), influenciado pelo post do Flaco Marque no Papo de Homem, Summer Tapes. Bem, depois de muito pensar, resolvi mesclar plasticidade com drama e emoção, acho que essa é a combinação perfeita para um golaço ser eternizado. Segue a Lista, lembrando que a ordem dos vídeos não significa um ranking:

01 Diego Souza – Palmeiras x Atlético-MG – 2009

02 Ricardinho/Marcelinho – Paulistão – 2001

03 Alex, O Chapeleiro do Morumbi – 2000

04 João Paulo – Juventus x Linense – Copa FPF – 2007

05 Nilmar – Inter x Corinthians – 2009

06 Anderson – Grêmio – Batalha dos Aflitos – 2005

07 Petkovic – Flamengo x Vasco – Carioca

08 Ronaldo – Santos x Corinthians – Final paulista 2009

09 Washington – Fluminense x SPFC – Libertadores – 2008

10 Ronaldo – Corinthians x Palmeiras – 2009

Sei que essas listas sempre deixam aquele golaço de fora, mas esses foram os que eu selecionei.

Abraços
Caio di Pacce.

 

Washington: O Adeus com coração.

Na tarde de ontem, o jogador Washington, mais conhecido como Coração de Leão, anunciou sua aposentadoria. Muito emocionado, não conteve as lágrimas ao agradecer aos companheiros, treinadores e clubes pelos quais passou nesses 17 anos de carreira.

Craque ele nunca foi, mas Washington sempre foi um goleador. É o maior goleador de uma única edição de Brasileirão. Possui bola de Prata, chuteira de ouro, já esteve na Seleção Brasileira com Luxemburgo e com Leão. Nos úlitmos anos ele foi marcado como um jogador que perde gols feitos, na minha opinião, ele foi bem mais do que isso.

O verdadeiro drama de sua carreira aconteceu em 2003, quando ele foi diagnosticado com um problema no coração, que o tiraria dos gramados. Mas após 1 ano, ao lado do excelente departamento médico do Atlético-PR, o atacante voltou aos gramados, com o apelido de Coração de Leão.

E foi no Brasileirão de 2004, no seu retorno aos gramados, que ele bateu o recorde de gols em uma única edição dessa competição com 34 gols. Ele superou Edmundo e seus 29 gols no Brasileirão de 1997 . Mas, infelizmente o Atlético-PR deixou escapar a taça para o Santos na última rodada quando empatou com o rebaixado Grêmio.

Outro grande momento da carreira de Washington foi a Libertadores de 2008. O time do Fluminense era desacreditado perante ao São Paulo de Adriano, mas o tricolor paulista não se classificou para aquela semi-final graças ao atacante fluminense. Segundo o próprio jogador, o gol aos 48 minutos do segundo tempo, foi o mais importante da sua carreira.

Comemorando o gol mais importante de sua carreira

Sem contar o golaço de falta do atacante contra o Boca Júniors no Maracanã.

Parabéns Washington, seja feliz nessa sua vida pós-jogador. Espero que os novos atacantes se espelhem na sua vontade e determinação em campo.

Abraços.
Caio di Pacce.

O Fluminense é Campeão Brasileiro

É CAMPEÃO!

Mais uma vez o time de Muricy Ramalho levanta a taça do Brasileirão. Dessa vez foi outro tricolor, o tricolor carioca, das laranjeiras. O Fluminense venceu o Guarani por 1×0, com gol de Emerson e nem precisou ver os resultados de Corinthians e Cruzeiro.

Foi a vitória do trabalho, Muricy Ramalho negou o sonho da seleçao brasileira para cumprir o contrato com o Fluminense. O tricolor carioca foi o itme que mais liderou o campeonato, o mais consante, que mesmo sofrendo com desfalques, soube administrar as vantagens e controlar a pressão.

Parabéns Fluminense, que esse bi-campeonato Brasileiro foi deveras merecido.

Parabéns Muricy, que deu a volta por cima na derrocada palmeirense de 2009.

Abraços.
Caio di Pacce.

Torcida Moderna

Nos últimos anos a expressão “Futebol Moderno” se tornou popular entre torcedores e imprensa esportiva. Geralmente, ela é utilizada, entre outras situações, para depreciar um time montado por empresários, sem tradição, e jogadores ciganos que pulam de time para time todo ano. Pois bem, no Campeonato Brasileiro 2010 estamos presenciando o nascimento da “Torcida Moderna”.

A “Torcida Moderna” é aquela que não quer só se apropriar do time e da vida dos jogadores, invadindo treinos ou fiscalizando se o cara sai à noite ou deixa de sair. A “Torcida Moderna” também torce contra sua própria equipe e celebra efusivamente os gols tomados. Hoje, em Barueri, na partida Palmeiras 1 x 2 Fluminense, o atacante palmeirense foi vaiado por sua torcida ao fazer gol e o goleiro Deola sofreu com copos na caxola e toda a sorte de xingamentos por defender bravamente a meta palestrina.

A “Torcida Moderna” tem o aval, mesmo que na surdina, dos dirigentes para conduzir essas ações. Afinal, se um dirigente defende que sua equipe dê W.O. na partida para prejudicar um rival, automaticamente ele dá carta branca para “torcedores modernos” tocarem o terror.

Que moral pode ter essa torcida para reclamar de jogadores que não honram a camisa do clube, se ela mesma trata de se revoltar contra atletas que estão tentando honrar a camisa que vestem?