Enfim Brasil.

O Brasil enfrentou hoje a Costa do Marfim, na minha opinião, o jogo mais difícil da primeira fase, pois trata-se de um time muito físico, de combate, que marca muito; e que encontra uma seleção brasileira ainda se encontrando fisicamente, e ainda se acostumando com a Copa de 2010.

E foi um jogo duro, principalmente no primeiro tempo, quando o time africano obrigava o Brasil começar as jogadas com Felipe Melo, brilhante ontem e Gilberto Silva, que teve uma exibição firme. Mas mesmo assim os elefantes complicavam o jogo para a seleção.

Até que o talento superou a tática, em uma triangulação entre Kaká, Robinho e Luís Fabiano, que deixou nosso camisa 9 na cara do gol. Daquele jeito, ele não perde: 1×0 Brasil.

E assim terminou o primeiro tempo, o Brasil vencendo, mas não convencendo. Já no segundo tempo, o Brasil voltou a ser Brasil. O Brasil de Dunga, da velocidade, do contra-ataque, mas com extremo brilhantismo. Luís Fabiano fez o gol mais bonito que eu já vi da Seleção em Copas do Mundo.

Com dois chapéus, num momento Pelé, e com o domínio com a mão, num momento Maradona, o camisa 9 fuzilou no campo sem chances para o goleiro: 2xo Brasil. O Brasil ainda fez o terceiro com o bom e esforçado Elano, artilheiro do Brasil na Copa.

Mas o maior ganho para a seleção foi a participação de Kaká. O nosso camisa 10 fez uma bela exibição, ainda não totalmente recuperado, mas já muito melhor do que na estréia do Brasil.

O jogo estava tranquilo para o Brasil, mas uma guerra para a Costa do Marfim. O time africano diminuiu com Drogba, em uma falha de marcação brasileira, 3×1, até aí tudo bem, mas o time do Brasil não soube se conter com as divididas duras dos africanos, e do juíz irresponsável.

A Costa do Marfim bateu, foi desleal, mas o time brasileiro não soube se controlar emocionalmente, principalmente Kaká, que caiu na catimba africana e foi expulso infantilmente, com uma cotovelada besta, deixando a seleção sem sua principal estrela.

Dunga tentou tirá-lo de campo, após tomar o amarelo, o treinador mandou os jogadores acelerar o aquecimento, mas não deu tempo, Kaká tomou o vermelho logo em seguida.

Enfim, o Brasil voltou a ser Brasil, para sorte da Copa do Mundo.

Abraços.
Caio di Pacce.

Pranchetadas do Duzão: O segredo é a dupla Drogba e Gervinho

Escreveu Eduardo Heering Bartoloni, do blog BotecagemSA

Tanto o Brasil quanto a Costa do Marfim, seu adversário na segunda rodada, fizeram uma estréia decepcionante na copa. Ainda assim, precisamos fazer certas ressalvas. O Brasil jogou contra um adversário fraco, muito fraco, e com sua seleção completa, mesmo com certos atletas fora de forma. A seleção africana, porém, estava jogando contra sua principal rival pela segunda vaga nas oitavas de final e sem seu principal destaque.

Drogba jogou os últimos 25 minutos da partida contra Portugal e mudou completamente a cara da peleja. Inclusive, criando as duas principais oportunidades de gol da segunda etapa e quase ganhando a partida para seu país. Contra o Brasil, Drogba jogará desde o começo e pode surpreender nossa zaga. Com ele em campo, o time deve jogar assim:

Drogba deve travar uma batalha direta com Lúcio, disputa essa que foi vista na Champions League, com os jogadores jogando pelo Chelsea e Inter de Milão respectivamente. Nessa oportunidade, o capitão brasileiro obliterou o atacante marfinense. Do outro lado, é Luís Fabiano contra Touré, batalha inédita que pode ser vencida pelo brasileiro.

Juan deve cobrir a sobra que Michel Bastos deixará na esquerda constantemente. Se por lá jogar Kalou, menos mal, o problema é se o técnico sueco Sven-Goran Eriksson inverte-lo com Gervinho, jogador do Lille extremamente talentoso. Se ele vier pela direita, fica no mano a mano com Maicon, que dá conta do recado. Se a marcação anular a dupla Drogba-Gervinho, o Brasil terá grandes chances de não tomar gol.

O selecionado canarinho não terá vida fácil neste jogo e deve repetir a mesmíssima escalação do jogo passado. Se o Dunga não quer ver os defeitos de sua equipe antes do jogo, é bom torcer para que sua zaga não falhe dessa vez, para que de tempo dele arrumar alguma coisa no intervalo. Só empatar essa partida pode ser fatal para a seleção penta campeã. O time precisa da vitória.