Minha participação no PSICOCAST sobre a Copa do Mundo!

Ae galera do Copeiros!

Essa semana participei do PSICOCAST, o podcast do Psicodoidera!

Ouçam no Link! Ou façam o Download aqui!

psicodoideraAbraços.
Caio Di Pacce.

 

Seleção da Copa do Mundo 2014 pelos Copeiros

Após o término da Copa, nós do Copeiros elegemos a Seleção da Copa do Mundo! Montada num clássico 4-4-2, cada Copeiro elegeu a sua seleção,  veja o que cada um colocou:

Seleção Caio: 
Goleiro: Neuer (ALE)
Defesa: Lahm (ALE), Hummels (ALE), Garay (ARG), Rojo (ARG)
Meio Campo: Mascherano (ARG), Schweinsteiger (ALE), Kroos (ALE), James Rodriguez (COL)
Ataque: Messi (ARG), Robben (HOL)
Técnico: Lowe (ALE)

Seleção Flaco: 
Goleiro: Neuer (ALE)
Defesa: Lahm (ALE), Hummels (ALE), Thiago Silva (BRA), Zabaleta (ARG)
Meio Campo: Mascherano (ARG), Schweinsteiger (ALE), Kroos (ALE), James Rodriguez (COL)
Ataque: Messi (ARG), Robben (HOL)
Técnico: Lowe (ALE)

Seleção Tércio: 
Goleiro: Neuer (ALE)
Defesa: Lahm (ALE), Hummels (ALE), Garay (ARG), Evra (FRA)
Meio Campo: Mascherano (ARG), Schweinsteiger (ALE), Kroos (ALE), James Rodriguez (COL)
Ataque: Messi (ARG), Robben (HOL)
Técnico: J. L. Pinto (COS)

Seleção Marquinhos: 
Goleiro: Neuer (ALE)
Defesa: Zabaleta (ARG), Hummels (ALE), Garay (ARG), Rojo (ARG)
Meio Campo: Mascherano (ARG), Kroos (ALE), Messi (ARG), James Rodriguez (COL)
Ataque: Muller (ALE), Robben (HOL)
Técnico: Jose Pekerman (COL)

Depois de fazermos os últimos acertos, a seleção ficou assim:

SELEÇÃO COPEIROS
Goleiro: Neuer (ALE)
Defesa: Lahm (ALE), Hummels (ALE), Garay (ARG), Rojo (ARG)
Meio Campo: Mascherano (ARG), Schweinsteiger (ALE), Kroos (ALE), James Rodriguez (COL)
Ataque: Messi (ARG), Robben (HOL)
Técnico: Lowe (ALE)

Captura de Tela 2014-07-16 às 00.09.41

Copa do Mundo – Copeiros – Alemanha 1 x 0 Argentina

Copa do Mundo – Copeiros – Brasil 1 x 7 Alemanha

Sobre trabalho e soberba

Quando o Brasil venceu com sobras a Copa das Confederações, vendeu a ideia de que o time estava pronto para a Copa. Afinal, venceu jogando bem e desbancou, com um indiscutível 3 a 0, a toda poderosa Espanha, àquela altura a mítica campeã mundial e bicampeã da Eurocopa.
Mas não estava. Não só do ponto de vista técnico, mas comportamental. Além de não ter apresentado nenhuma evolução técnica de tática desde então, o Brasil cometeu o maior dos pecados para quem tem uma competição como a Copa do Mundo pela frente, ainda mais em casa: acreditou que estava.
Felipão convocou um time absolutamente cru para o Mundial. Acreditou que Neymar e o Hino Nacional garantiriam a conquista do sexto título mundial. Desde que o time de apresentou com 18 dias apenas para se preparar para a Copa, uma esbórnia se instaurou na Granja Comary. em vez de treinar, o Brasil ficou fazendo sala para a Rede Globo, que fez o que quis em Teresópolis. Poucas foram as vezes que o time treinou de verdade.
Com o passar dos jogos, a evolução, que seria natural, não aconteceu. A Seleção não se encontrou como time em momento algum. Só que a comissão técnica e a dona da alma nacional venderam uma ideia diferente, de que o time já tinha decolado.
No jogo contra o Chile, o que se viu foi um time apavorado, desequilibrado psicologicamente, que já ficou no lucro por ter passado nos pênaltis. O jogo seguinte aconteceu seis dias depois. SEIS DIAS! E quantas vezes o time titular treinou? UMA só. O resto foi folga ou conversa.
Até funcionou, pois o time entrou com sangue nos olhos, embora o futebol em si tenha sido pobre. O time do Felipão apresentou muita luta, marcando alucinantemente a saída de bola colombiana e não deixando o ótimo time dirigido pelo argentino José Peckerman respirar. Quando o gás acabou, levou sufoco, mas passou. E todo mundo achou que, contra a Alemanha, era só repetir a fórmula, que a vaga na final estaria garantida.
É bobagem achar que a Seleção perdeu a segunda Copa em casa porque deu tudo errado na semifinal do Mineirão. Perdeu porque não trabalhou, porque não se preparou como deveria. Porque o experiente Felipão não deu suporte para que Neymar não fosse a única esperança da torcida. E perdeu porque acreditou que a camisa e a torcida que é brasileira-com-muito-orgulho-e-com-muito-amor seriam suficientes para ser campeão

Copeiros – Copa do Mundo – Brasil 2 x 1 Colômbia

Copa do Mundo, eu vi: Argentina 1 x 0 Suiça

En la cancha de la Copa!

En la cancha de la Copa!

Hoje eu realizei um sonho de pequeno, um sonho que tive desde 1994, quando vi Romário ganhar a taça para nós brasileiro. Queria fazer parte desse evento que é a Copa do Mundo, queria ver uma partida, independente de quem jogasse, queria ver um jogo do maior evento esportivo do mundo.

Hoje, fui ver Argentina e Suiça no Itaquerão. Vi uma Argentina que não conseguia passar o ferrolho suíço, que fez um excelente primeiro tempo, jogando nos contra-ataque. O time europeu teve pelo menos 3 chances de abrir o placar, mas não teve a competência necessária.

Já no segundo tempo, o time albiceleste conseguiu compactar melhor suas linhas e dominou o jogo, porém não conseguia criar muitas chances, pois Messi estava muito bem marcado. As chances criadas muito nos cruzamentos de Rojo, ou de chutes de fora da área.

Na prorrogação o time suíço morreu. E, em uma roubada de bola de Palácio, Lionel teve uma bola com espaço e lançou Di Maria, que bateu no contrapé, lembrando muito o gol de Rivaldo na Copa de 2002 contra a Inglaterra.

Di Maria 2014:

Rivaldo 2002:

O jogo foi muito emocionante, ainda mais para quem estava no estádio. Sonho realizado.

Abraços.
Caio Di Pacce.

Não tem mais bobo no futebol

Si, se puede Ticos!

Se há um dos jargões que essa Copa do Mundo esta corroborando, ele é o: “Não tem mais bobo no futebol“.  As grandes potências do futebol estão sofrendo pra classificar, ou até mesmo voltando mais cedo pra casa, diante de seleções menores, ou de menor expressão.

O maior exemplo é a classificação em primeiro lugar da Costa Rica em pleno grupo da morte. Os “Ticos” saírem invictos, passando por 3 campeões do mundo: Uruguai, Inglaterra e Itália. Venceu também a Campeã européia de 2004 a não tão importante Grécia e se classificou pela primeira vez na história para as Quartas-de-Finais.

Outra grande surpresa é a Argélia, o esforçado time africano ganhou a vaga da Rússia de Fábio Capello, e deu um trabalho enorme para a gigante e simpática Alemanha, caiu na prorrogação. Até mesmo o Irã que quase arrancou um empate da Argentina de Messi.

E o que falar da Colômbia, time com o artilheiro da Copa, que vem demonstrando um futebol alegre e preciso, com 4 vitórias e melhor campanha da competição. É verdade que o único time grande que a Colômbia enfrentou foi um Uruguai sem Suarez e desmoralizado. Mas vem jogando muito. Ou um Chile que tirou a atual campeã do mundo Espanha da Copa.

O principal fator disso é o velho papo de Globalização do futebol, os principais jogadores dessas seleções estão jogando nas principais ligas européias, mesmo que em times secundários. Isso faz com que eles ganhem experiência e cancha, ou seja, eles estão acostumados a enfrentar os principais jogadores das principais ligas, com isso o gap fica menor, e os jogos tornam-se mais disputados, mais competitivos.

Não há mais bobos em Copa do Mundo, pelo menos na Copa das Copas.

Abraços.
Caio di Pacce.

Copeiros – Copa do Mundo – Brasil x Chile

Abraços.
Caio Di Pacce

Ninguém quer ser Barbosa

Ninguém quer ser Barbosa, foi o que PVC disse hoje no Linha de Passe da ESPN Brasil sobre a tensão presente nos jogadores e comissão técnica da Seleção Brasileira. Desde a estréia dessa Copa, o Brasil oscila entre bons e maus momentos, entre um turbilhão de emoções que são expressadas claramente por todos, desde o capitão do time até o mais jovem jogador da seleção.

E eu, em minha humilde opinião, concordo com PVC, o time está com medo de errar, com medo de arriscar. E com esse medo, as falhas táticas ficam mais presentes, com esse medo, o chute que é para ir no ângulo, sai rasteiro, fraco e sem direção. Esse é o principal problema da seleção brasileira, antes de pensar em resolver a lateral direita ou o setor de criação, esse deve ser solucionado primeiro.

Os jogadores não querem ser Barbosa, os jogadores não querem ser o Dunga de 1990 em pleno solo tupiniquim, não querem se tornar “bodes expiatórios” em sua terra natal. E, a cada jogo que passa, esse nervosismo fica mais presente. O que era auxílio e energia positiva na Copa das Confederações em 2013, está se tornando pressão, dívida e promessa pros jogadores em 2014.

A comissão técnica tem que trabalhar esse aspecto o quanto antes, para que a bola volte a rolar redonda para a seleção brasileira na próxima sexta-feira. Esses jogadores precisam perder esse medo de fracasso, esse medo de perder. Como dizia o “pofexô” nos anos 90: O medo de perder tira a vontade de ganhar. E esse medo, até então, é o principal rival da seleção canarinho.

Quem tem medo de ser o Barbosa de 50, jamais será o Pelé de 58 ou o Romário de 94.

Abraços.
Caio di Pacce