O descaminho de Kaká

Ele tinha tudo para dar certo e deslanchar. Temente a Deus e cioso das regras. Um jogador exemplar e o genro que todas as sogras queriam ter. Candidatas não faltavam e logo, virou frenesi entre as adolescentes e outras moças mais experientes.

Nos gramados, onde interessava, mantinha um desenvolvimento consistente. Açoitado pela sempre injusta torcida são-paulina, aportou na bota européia. Berlusconi o carregou no colo e lançou a Kakamania.

No Milan, experimentou grandes momentos. Jogou aquela final histórica contra o Liverpool em 2005. Dois anos depois, conquistou o Interclubes (Mundial da Fifa uma ova!) em cima do Boca Juniors. Jogou a Copa de 2002 como coadjuvante. Em 2006, foi a revelação, mas na de 2010 começou seu calvário.

Dessa vez, a resposta pode não estar nos céus, mas na aceitação da vida.

Segundo Juca Kfouri, Kaká sofre de um problema similar que Gustavo Kuerten. A diferença é que do Guga era na cartilagem entre o fêmur e a bacia. Já do Kaká é mais focalizado no cóquis. Ambas lesões prejudicam muito os movimentos e causam dores crônicas.

É por isso que o bom menino anda destemperado. Desde que chegou ao Real Madrid, cercado de toda pompa e circunstância, Kaká não consegue jogar. Na seleção muito menos. Até a cabeça-dura de Dunga não lhe garantiu a titularidade absoluta.

Kaká anda blasfemando e amarga um banco de reserva eterno. Nem é lembrado pela sua querida Seleção Brasileira. Mas, uma luz no fim do túnel então se acendeu: a possibilidade de voltar para a Itália, mas para defender a Inter. Talvez seja um recomeço, talvez seja a continuação do fim.

Acredito que todas as noites, Kaká se debruça em orações. No entanto, por mais que haja fé e bondade divina, nosso corpo tem limites.

E nossa vida, percalços.

Talvez sua missão divina no futebol esteja no fim. Talvez seja hora de parar.

Advertisements

3 Respostas

  1. Kaká devia voltar ao Milan. Onde há espaço pra ele.

  2. Que texto apocalíptico! Kaka vai brilhar no Real na próxima temporada (ou então vai acabar no Manchester City, de lá para o Qatar e em seguida de volta para o Brasil).

  3. Quando se está no auge, a única tendência a partir de então é decair, decair, decair…
    Muitos que adotaram a estratégia de parar no auge se derm muito bem e são positivamente lembrados na história: não precisaram passar pela amargura de cair no esquecimento.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: