O Futebol vale a pena

Minha guerra santa contra o futebol plástico e moderno ganhou o reforço de alguns fatos. Ontem, Neymar optou por ficar no Santos em detrimento do Chelsea (o São Caetano bretão). Mais tarde, o Palmeiras bateu o Vitória com muita raça, paixão e pouca técnica. Do jeito que o torcedor gosta.

O “fico” de Neymar mostra a importância da família. Quantos Joões voaram do país atrás de grana fácil na primeira oportunidade que apareceu. O caso que mais me recordo é o do meia-atacante Willian, que brilhou no Corinthians que brilhou na primeira metade de 2007. Hoje, passa frio e esquecimento no Shaktar. Mas com o bolso cheio de dinheiro.

Dinheiro esse que Neymar também têm. O moleque recebe mais que eu desde que tinha 16 anos. Dizem que o jogador tem que fazer o pé de meia, por que futebol sabe como é. Como disse num post anterior, não tenho dó de jogador. Se não sabe usar o dinheiro tem que se estrepar mesmo.

É aí que aparece a família, que é o “berço de tudo”. O pai de Neymar, Neymar da Silva Santos, sempre orientou os passos do menino da Vila. Quando o jogador passava dos limites, sempre se ouvia o pai dando esporro mais tarde. E como um bom filho, o camisa 11 do Peixe abaixava as orelhas. Isso é foda. Isso é o que vale.

O que também valeu foi o canudo do Marcos Assunção para derrubar o Pacaembu na noite de ontem. No jogo 500 de um dos maiores goleiros do mundo, não poderia acontecer placar mais saboroso. A loucura de Toninho Cecílio não foi párea ao brio histórico de Felipão. Das derrotas e da vergonha, o time do Palestra fez sangue. E meus olhos enchem de lágrima ao rever esse gol. E também ao ver a propaganda sensacional que a Topper fez para o Santo.  Assim que eu achar, ou escanear, eu posto aqui (essa aqui é a de 450 jogos, que vai na mesma pegada).

O futebol vale a pena. Vale a pena por esses momentos. Vale o olho encher de lágrima perante um herói, perante uma inspiração. Mesmo quando os amigos estão longe, quando os desejos se perdem no concreto, quando o sangue ferve no trabalho ingrato. O coração manda. De fato.

Marcos 500:

Advertisements

3 Respostas

  1. Demais, ontem foi demais! Marcão merecia sua 500o partida com a camisa do Palestra dessa maneira, sem muito trabalho e com o resultado positivo.

    Quanto ao Neymar, por mais moderno que ele seja, ele deu um passo a frente ao futebol orgânico. Parabéns!

  2. O Neymar só não foi embora pq o Chelsea não quis pagar a multa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: