Brasil no fundo do poço

Depois das frustrações na Copa de 82 e 86, o Brasil chegou ao fundo do poço na Copa de 90, disputada na Itália. Para se ter uma idéia, a equipe foi eliminada na Oitavas de final da competição. Apesar do Brasil ter ficado em primeiro no seu grupo, que tinha Escócia, Suécia e Costa Rica, a Argentina por sua vez deixou escapar a primeira colocação no Grupo B para o selecionado de Camarões. Essa combinação de resultados provocou um duelo de gigantes logo após o final da fase de grupos.

O técnico Sebastião Lazaroni – uma mistura de Joel Santana sem carisma com Wanderley Luxemburgo sem terno -, passou por altos e baixos no comando da Seleção. O ponto alto e talvez único foi quando ganhou a Copa América disputada no Brasil, em 1989 – título que o País não via há 40 anos. Os pontos baixos foram as derrotas para Suécia (2 a 1), Dinamarca (4 a 0) e Suiça (1 a 0), logo no início do trabalho, em uma excursão pela Europa e, a mais vergonhosa de todas, derrota de 1 a 0 para o combinado da Úmbria, cidade onde o Brasil se concentrou na Itália, pouco antes da competição mundial começar.

Com Lazaroni o esquema adotado na Seleção era o 3-5-2, com o time base formado por Taffarel, Ricardo Gomes, Mauro Galvão e Ricardo Rocha; Jorginho, Dunga, Alemão, Valdo e Branco, Muller e Careca. Se considerarmos que o Valdo era o que o Zinho foi em 94, percebemos de bate pronto que esse foi o time mais retrancado da história do futebol nacional. Essa Seleção, assim como a atual, sentia falta de um meia de criação. Além disso tinha lá seus injustiçados – Neto (Corinthians), Raí (São Paulo) e o ponta-esquerda João Paulo (Bari) – e xodós bizarros do treinador – Tita (Vasco) e Bismarck (Vasco).

Após uma primeira fase com futebol burocrático e jogos sonolentos, por incrível que pareça o Brasil jogou contra Argentina um futebol digno de final de campeonato, sufocando o adversário desde o início. No total, durante a peleja, a Seleção carimbou a trave dos hermanos em três oportunidades. Porém, bastou sobrar uma bola para Maradona desfilar entre quatro defensores do Brasil e assim deixar Canigia na cara do gol, para resolver a partida e mandar os brasileiros mais cedo pra casa.

Se a Seleção de 82 deixou saudades para muita gente, a de 90 ganhou uma passagem sem volta para o esquecimento. Aliás, em 1990 teve Copa do Mundo ?

Anúncios

4 Respostas

  1. Foi minha primeira Copa essa, acompanhei bem com meus 9 anos… frustração pura ver o time fora tão cedo. Ter que ficar vendo a Argentina chegar até a final foi pior ainda (naquela época eu ainda tinha aquele revanchismo tonto com nossos vizinhos). Como era legal chegar a escola e já almoçar vendo um jogo, hehehe

  2. Eu lembro pouco dessa Copa, mas lembro do jogo contra a Argentina.

    Mas o responsável de termos perdido esse jogo chama-se Galvão Bueno.
    Não existe coisa que mais chama zica do que tocar o “BRASILLLL” qnd a bola na trave.

  3. Mas foi a porra da água… Se não fosse a água seria finalista.

  4. Foi a melhor definição de Lazaroni que já vi. Muito engraçado!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: