Brasil: o país onde o crime e a vagabundagem compensam.

Escreve Cadu Martins.

eurico_miranda1Numa semana em que a máfia do apito foi absolvida e Adriano é convocado para a seleção brasileira, eu me pergunto: será que somos nós, cidadões de bem, ou eles, os “malandros” do nosso dia a dia nacional, que estão certos?

Será que nós que trabalhamos todos os dias, duramente, ganhamos o nosso pão de forma suada e nem sequer podemos pensar em faltar no trabalho, com risco de sermos advertidos e depois despedidos sem direitos em caso de reincidência, será mesmo que nós estamos certos? Vamos separar osassuntos:

Máfia do apito: Jogaram o código civil, penal, tributário, sei lá qual deles, mas jogaram tudo que é lei na lata do lixo. Se não é formação de quadrilha juntar um monte de cara pra manipular resultado, muito menos estelionato ao enganar o monte de torcedores que vão ao estádio para ver um jogo marcado, então o que é, me expliquem senhores juristas? Me fazer de idiota, e eu ainda te que pagar por isso, uns 30 reais no mínimo, não é crime? Será então que o governo não quer pagar meu ingresso toda semana para ir ao estádio, assim como vai pagar para a CBF e os clubes construírem novos estádios ou reformarem os que estão aí para a Copa do Mundo de 2014?

– Adriano: Eu não consigo torcer por jogador vagabundo, de verdade, me enoja alguém vencer na vida por caminhos tortos. Por exemplo, por mais que falem de tudo do Ronaldo, ele é baladeiro, putanheiro, se meteu com travestis e tudo mais, mas treina sempre junto com o grupo todo, ele faz o que tem que ser feito, não dá desculpas esfarrapadas em conchavo com diretores tão vagabundos quanto ele e ainda traz um clima de amizade para dentro dos grupos em que trabalha, como no Corinthians. Ele pode ser o que for, mas assim como Ronaldo, ama o futebol e é um vagabundo do bem, pra mim.

O futebol moderno, por mais profissional que seja, ainda tem espaço para caras como Ronaldo, que ainda está aí, e para Romário, que deveria ser eterno.

A qualidade do futebol do Adriano é indiscutível, é um baita jogador, chute forte, presença de área, força física combinada com agilidade, enfim, é um atacante completo quando munido. Mas o cara que não ama o esporte (é só business como disse um diretor paulistano), só joga pela grana e ainda dá “migué” em treino, pra mim não serve. E ver esse cara ir vestir a camisa da seleção é prova absoluta da inversão de valores que o nosso país vive hoje em dia.

Sarney, eu sou seu fã! Dilma, o país te merece!

Escreveu Cadu Martins.

Anúncios

2 Respostas

  1. Bom texto Cadu.
    Realmente a palhaçada no Brasil é tremenda.

  2. A crítica ao Adriano fica incoerente a partir do momento em que você apóia o Romário. É a mesma linha de comportamento. Com relação à Máfia do Apito, é mesmo um absurdo, que o Edilson esteja solto, só que, mais uma vez a gente acaba caindo naquela velha história de que está tudo errado no Brasil. Não adianta nada criticar algo como a Máfia do Apito, e comprar ingresso com cambista, falsificar carteirinha de estudante, não conhecer o Estatuto do Torcedor…e isso só na esfera do futebol.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: